ASSINE

Deputadas batem boca sobre homenagem a juíza que impediu aborto

Confusão ocorreu enquanto parlamentares tentavam aprovar moção de aplausos a juíza que impediu a realização do aborto em uma menina de 11 anos, em Santa Catarina.

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 06/07/2022 às 20h14

SÃO PAULO - As deputadas Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Chris Tonietto (PL-RJ) bateram boca enquanto parlamentares tentavam aprovar uma homenagem à juíza que impediu a realização do aborto em uma menina de 11 anos, que engravidou depois de ser estuprada, em Santa Catarina.

Na ocasião, a juíza Joana Ribeiro Zimmer, da Justiça estadual de Santa Catarina, induziu, em audiência, a criança a desistir de fazer um aborto legal.

A juíza Joana Ribeiro Zimmer, de Santa Catarina.
A juíza Joana Ribeiro Zimmer, de Santa Catarina. Crédito: Solon Soares/Agência ALESC

A Moção de Aplausos e Reconhecimento  - prevista no Regimento Interno da Câmara para se homenagear pessoas que tenham se destacado de alguma forma - foi apresentado pelos conservadores Diego Garcia (Republicanos-PR) e Chris Tonietto. O documento, no entanto, foi derrubado por falta de quórum nesta quarta-feira (6).

"Genocida e assassino é o seu governo, que a senhora apoia, que a senhora recebe verba para levar adiante, para se silenciar. Não vou respeitar uma mulher que assina embaixo o genocídio do presidente da República", disse a psolista, aos gritos. "Respeita este Parlamento", rebateu a deputada conservadora.

Em junho, vídeos publicados pelo The Intercept Brasil e pelo Portal Catarinas mostraram a juíza tentando convencer a menina a seguir com a gravidez, mesmo com respostas claras da vítima de que ela não queria. Ela chegou a falar para a criança que a gravidez precisaria continuar para que o bebê fosse colocado para adoção.

A mãe procurou apoio médico quando descobriu a gestação da filha, no momento em que completava 22 semanas. No hospital, a afirmação foi de que seria necessária uma autorização judicial. Ao procurar a Justiça, não só o aborto foi negado como a menina foi afastada da família e colocada em um abrigo, fazendo com que o procedimento não fosse realizado. Zimmer chegou a afirmar que o aborto após esse prazo "seria uma autorização para homicídio".

Nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PL) fez uma série de posts em que condena veementemente o aborto e classifica como "inadmissível".

"Um bebê de sete meses de gestação, não se discute a forma que ele foi gerado, se está amparada ou não pela lei. É inadmissível falar em tirar a vida desse ser indefeso", escreveu ele, na época.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.