ASSINE

CNJ institui comitê para atualizar prevenção a ataques hackers

A iniciativa ocorre após o ataque hacker que atingiu os sistemas do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e paralisou as atividades da Corte

Publicado em 13/11/2020 às 15h58
Atualizado em 13/11/2020 às 15h58
CNJ
O Comitê de Segurança Cibernética deve se reunir em sessões ordinárias trimestrais para avaliação e monitoramento de ações de segurança . Crédito: Reprodução

Como anunciado no início da semana, o presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Luiz Fux, instituiu um comitê para atualizar a política de segurança digital no Judiciário. A iniciativa ocorre após o ataque hacker que atingiu os sistemas do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e paralisou as atividades da Corte.

A portaria que cria o chamado "Comitê de Segurança Cibernética do Poder Judiciário" foi publicada na edição de quarta-feira (11), do Diário de Justiça Eletrônico. De acordo com o texto, o grupo será formado por especialistas técnicos indicados pelos tribunais superiores (STF, STJ, TSE, TST e STM), conselhos e tribunais de justiça e será coordenado por um representante do CNJ que ainda será indicado pela Presidência. A participação de representantes do setor privado e de órgãos públicos de segurança, como a Polícia Federal e as Forças Armadas, também está prevista, mas como opcional e a convite dos integrantes formais.

Entre as metas mais urgentes, que devem ser entregues em até 30 dias pelo comitê, estão a elaboração de protocolos de prevenção, gerenciamento de crises e investigação relacionados a ataques cibernéticos que possam afetar as atividades dos órgãos judiciais.

A portaria também prevê, em um segundo momento, a criação de uma proposta com diretrizes para uma política de segurança cibernética. O projeto deve contemplar, por exemplo, aspectos de governança e gestão da segurança da informação, padrões mínimos de gestão de riscos para proteção de ativos, orientações para fiscalização da adequação aos requisitos de segurança e políticas de gestão de identidade e encriptação de dados sensíveis.

Também caberá ao comitê propor as normas para a criação do 'Centro de Tratamento de Incidentes de Segurança Cibernética' do CNJ, que deve funcionar como canal oficial para a articulação e divulgação de ações preventivas e corretivas para os casos de ameaça de ataques cibernéticos. Até agora, o que se sabe é que a unidade será formada por um representante e um suplente de cada tribunal do País.

Segundo informou o CNJ, o Comitê de Segurança Cibernética deve se reunir em sessões ordinárias trimestrais para avaliação e monitoramento de ações de segurança nos órgãos do Judiciário.

Na avaliação do ministro Luiz Fux, o grupo de trabalho vai garantir que o Judiciário atenda a população 'com segurança e responsabilidade por meio das soluções digitais'. "Além de proteger os dados frente ao número crescente de incidentes cibernéticos no ambiente da rede mundial de computadores, ainda contempla a necessidade de processos de trabalho orientados para a boa gestão da segurança da informação", disse.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Brasil Brasil Justiça CNJ Tecnologia Ataque Hacker

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.