ASSINE

Chuva volta ao Pantanal, mas volume ainda é insuficiente, diz Ibama

Desde o início do ano até o último domingo (11), 27% dos 15 milhões de hectares do Pantanal foram consumidos pelo fogo

Publicado em 16/10/2020 às 07h40
Uma vista aérea mostra uma casa cercada por vegetação queimada no Pantanal, a maior área úmida do mundo, em Pocone, Mato Grosso, Brasil, 28 de agosto de 2020. REUTERS / Amanda Perobelli
Uma vista aérea mostra uma casa cercada por vegetação queimada no Pantanal. Crédito: Amanda Perobelli/REUTERS/Folhapress

Depois de meses de estiagem e em meio ao maior incêndio de sua história, o Pantanal registrou chuvas significativas nesta quinta-feira (15). Na avaliação do Ibama, porém, a quantidade ainda é insuficiente para debelar todos os focos.

A Serra do Amolar, no município de Corumbá (MS), foi uma das regiões que registraram chuva. Um vídeo obtido pela reportagem mostra brigadistas indígenas do povo terena e moradores da região comemorando o fim da estiagem.

"É uma garoa. Não é de falar que vai apagar o fogo, não sei se vai durar hoje ou amanhã", diz a moradora Edilaine Arruda, 25, autora do vídeo e responsável pela logística das brigadas na base da ONG Ecoa (Ecologia e Ação). "Fazia tanto tempo que não chovia que nem me lembro."

Considerada a área mais preservada do Pantanal, nas últimas semanas o Amolar registrou alguns dos focos mais críticos. Na terça-feira (13), fortes ventos misturados à fuligem provocaram uma espécie de tempestade de areia.

A moradora conta que, no último dia 5, sua comunidade quase foi atingida pelo fogo. "Foi horrível, desesperador, chegou muito perto das casas. Mas tivemos o apoio da brigada do Prevfogo, com a ajuda dos moradores."

"Temos relatos de chuva em quase todo o Pantanal. Choveu no Amolar, choveu na cidade de Corumbá, choveu no Parque Nacional do Pantanal. É um volume bom, mas insuficiente para extinguir todos os incêndios", afirma Alexandre Pereira, do Prevfogo/Ibama em Campo Grande (MS).

"A gente não pode declarar fogo extinto. Os nossos procedimentos demandam alguma vigilância na região, esperando volumes maiores de chuva para começar a pensar na desmobilização das equipes. O Pantanal tem uma quantidade muito grande de matéria orgânica acumulada, e os incêndios subterrâneos ainda persistem. Precisa chover mais para que a água chegue até essa camada", diz Pereira.

Desde o início do ano até o último domingo (11), 27% dos 15 milhões de hectares do Pantanal foram consumidos pelo fogo, uma área destruída equivalente à do estado do Rio de Janeiro. O cálculo é do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (Lasa), da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), e foi repassado pelo Ibama.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Pantanal Incêndio Queimadas Ibama

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.