ASSINE

Centrais sindicais defendem Barroso e instalação da CPI da Covid-19

O ministro do STF determinou a instalação da CPI para apurar o trabalho do governo federal no combate à pandemia. A abertura tinha a resistência do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

Publicado em 10/04/2021 às 17h22
Atualizado em 10/04/2021 às 17h22
 Presidente da República, Jair Bolsonaro durante declaração à imprensa sobre o novo auxílio emergencial.
Presidente da República, Jair Bolsonaro criticou a instalação da CPI. Crédito: Isac Nobrega/PR

Em meio à nova crise política entre o governo e o Supremo Tribunal Federal (STF), após o ministro Luís Roberto Barroso determinar a abertura da CPI da Covid-19 no Congresso Nacional, centrais sindicais emitiram nota conjunta neste sábado (10) defendendo o ministro e a instalação da comissão parlamentar de inquérito.

"Há responsabilidades do governo federal a serem apuradas com as quase 350 mil mortes que o país tragicamente acumula, situação que confere ao Brasil a vergonhosa denúncia internacional de péssima condução no enfrentamento da crise sanitária", diz nota assinada por Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST). "Manifestamos nossa solidariedade ao Supremo Tribunal Federal e ao Ministro Luís Roberto Barroso".

Barroso determinou a instalação da CPI para apurar o trabalho do governo federal no combate à pandemia. A abertura tinha a resistência do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), apesar de contar com assinaturas suficientes do ponto de vista regimental. O presidente Jair Bolsonaro reagiu com ataques à decisão do ministro, chamando a medida de "politicalha". O Plenário do Supremo deve referendar a determinação de Barroso.

"Exigimos, com urgência, a implementação das medidas para estancar o contágio, as mortes, o colapso do sistema de saúde e todas as demais mazelas que essa tragédia sanitária promove", segue a nota das centrais sindicais, que também presta apoio às medidas de restrição impostas por governadores e prefeitos para conter o novo coronavírus.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.