ASSINE

Astrazeneca: São Paulo suspende vacinação para grávidas

A Secretaria Estadual decidiu nesta terça-feira (11) suspender temporariamente a vacinação contra a Covid-19 em grávidas com comorbidades que estava prevista para começar em todo o estado

Publicado em 11/05/2021 às 10h57
Vacina de Oxford
A vacina de Oxford/AstraZeneca. Crédito: Carlos Alberto Silva

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo decidiu nesta terça-feira (11) suspender temporariamente a vacinação contra a Covid-19 em grávidas com comorbidades que estava prevista para começar em todo o estado. A Prefeitura de São Paulo também decidiu suspender a vacinação do grupo prioritário na capital.

A decisão atende a pedido da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que na noite desta segunda-feira (10) emitiu uma nota técnica em que recomenda a suspensão imediata do uso da vacina da Astrazeneca/Fiocruz em mulheres gestantes.

A orientação da Anvisa foi tomada porque o Ministério da Saúde investiga o caso de uma gestante que morreu no Rio de Janeiro após ter sido imunizada com a vacina Astrazeneca.

"O Ministério da Saúde informa que foi notificado pelas secretarias de Saúde Municipal e Estadual do Rio de Janeiro e investiga o caso. Cabe ressaltar que a ocorrência de eventos adversos é extremamente rara e inferior ao risco apresentado pela Covid-19. Neste momento, a pasta recomenda a manutenção da vacinação de gestantes, mas reavalia a imunização no grupo de gestantes sem comorbidades", disse o ministério em nota ao Painel, da Folha de S.Paulo.

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo disse em nota que "novas orientações serão comunicadas após pareceres técnicos do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde e da Anvisa". A Prefeitura de São Paulo também disse que irá manter a suspensão até receber novas orientações do Ministério da Saúde.

A prefeitura diz ainda que na capital a vacinação contra a Covid-19 permanece em andamento e ganhou novos públicos nesta terça-feira (11): metroviários, ferroviários, mães de recém-nascidos com comorbidades e pessoas com deficiência permanente inscritos no BPC (Benefício de Prestação Continuada) que tenham entre 55 e 59 anos.

Nesta segunda-feira (10), o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, disse que o imunizante Coronavac está sendo aplicada apenas para a segunda dose. Ou seja, a vacinação na capital nesses novos grupos está sendo feita apenas com os imunizantes da Oxford/AAstrazeneca ou da Pfizer. "Coronavac só para segunda dose, pois a gente não recebeu mais nenhum lote para primeira", afirmou Aparecido.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Ministério da Saúde São Paulo (SP) Coronavírus Covid-19 Vacina Vacinas contra a Covid-19

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.