ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É secretário-geral do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Espírito Santo (Setpes)

Pouco a pouco, o turismo volta a respirar no Brasil

Um passo importante para esse respiro é a vacinação de integrantes do setor de transporte. No Espírito Santo, o modal rodoviário intermunicipal é fundamental para conectar os capixabas, na Região Metropolitana ou no interior

Publicado em 27/08/2021 às 02h00
Rodovia ES-446, que liga Colatina ao distrito de Itaimbé.
Rodovia ES 446, que liga Colatina ao distrito de Itaimbé: transporte rodoviário é importante para o turismo. Crédito: DER-ES/Divulgação

"Wanderlust" é uma palavra alemã usada para descrever um ímpeto por viajar e conhecer novos destinos. Nos últimos anos, o termo se popularizou e passou a ser o lema de muitas pessoas apaixonadas por "turistar". Com a pandemia, os viajantes precisaram pausar a vontade de viajar, mas a boa notícia é que já é possível apertar o play e retomar as viagens.

Com o avanço da vacinação e a consequente redução dos índices de contágio da Covid-19, o turismo volta a ser uma atividade viável. Esse retorno é importante não apenas para os que desejam colocar o pé na estrada, mas também para toda a economia. Os dados são da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa) e mostram, ainda, que 11% das empresas do setor turístico arrecadaram, no primeiro semestre do ano, mais ou igual ao período pré-pandemia.

E mais: um levantamento da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) mostrou que o setor turístico registrou em maio, último mês com dados consolidados, um faturamento de R$ 9,6 bilhões. No comparativo com o mesmo período do ano passado, o resultado é 47,5% superior.

Os dados são, sem dúvidas, muito animadores e apontam para uma retomada gradual, que precisa acontecer com responsabilidade. Um passo importante para esse respiro é a vacinação de integrantes do setor. Os trabalhadores do transporte estão entre os grupos prioritários para receber o imunizante e já receberam mais de um milhão de vacinas em todo o país, de acordo com a Confederação Nacional do Transporte (CNT).

No Espírito Santo, o modal rodoviário intermunicipal é fundamental para conectar os capixabas, na Região Metropolitana ou no interior. Desde março de 2020, o desafio para o setor é continuar prezando pela segurança, com um olhar mais aflorado para a biossegurança. Para isso, toda a operação foi readequada de modo a preservar a saúde de passageiros e colaboradores.

Um dos maiores agravantes para a crise do setor foi a queda da demanda, que chegou a 80%. Hoje, o cenário ainda é atípico, com o estimado de apenas 40% do número de passageiros do período pré-pandemia. Para o setor de transporte de passageiros, que, neste momento continua com suas empresas na UTI, respirando por aparelhos, todos esses dados apontam para um cenário mais positivo para os que seguem o "wanderlust" como lema e, também, para todos os serviços envolvidos no setor turístico.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.