ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É governador do Estado de São Paulo

O resgate da esperança no Brasil deve começar imediatamente

O Brasil da esperança combate a pandemia, produz vacinas, cuida dos doentes, protege os mais pobres e salva vidas. O Brasil da esperança prioriza a educação, combate a fome, cuida dos mais pobres e protege todos os seus cidadãos

Publicado em 23/04/2021 às 02h00
Professor  - aula - quadro - giz
Educação é um dos pilares de um Brasil mais forte. Crédito: Freepik

O Brasil vive hoje o pior momento da sua história. Recordes negativos se acumulam: temos 27 milhões de brasileiros em extrema pobreza, vivendo com menos de R$ 9 por dia. Dezenove milhões passaram fome nos últimos três meses. Seis em cada dez brasileiros, num total de 125 milhões, padecem de insegurança alimentar. São 18 milhões de desempregados, outros 6 milhões que desistiram de procurar emprego e 5 milhões de alunos fora da escola.

O Brasil está próximo de chegar a 400 mil vítimas de Covid. Faltam vacinas e medicamentos. Não foram comprados a tempo pelo Ministério da Saúde.

Em seis anos, vivemos as três piores recessões econômicas de nossa história. Na década encerrada em 2020, empobrecemos 0,2% a cada ano, enquanto outros países emergentes enriqueceram 2,5% anualmente.

Empobrecimento, fome, desemprego, evasão escolar e mortes. Essa tem sido a dura realidade do Brasil, especialmente para os mais pobres.

O cenário de curto prazo não indica mudanças: inflação acima do teto do Banco Central, juros em alta, investimentos industriais prejudicados e o real cada vez mais desvalorizado ante o dólar.

O Brasil caiu de nono para o 12º lugar entre as maiores economias do mundo, e a nossa é a única a desacelerar em 2021 entre os principais países.

O populismo, aliado ao autoritarismo, cobra agora um alto preço da sociedade. O Brasil está na contramão do mundo.

É hora de mudar. E o resgate da esperança deve começar imediatamente.

O Brasil da esperança combate a pandemia, produz vacinas, cuida dos doentes, protege os mais pobres e salva vidas. O Brasil da esperança prioriza a educação, combate a fome, cuida dos mais pobres e protege todos os seus cidadãos.

O Brasil da esperança defende a democracia, a liberdade individual e a livre manifestação artística, cultural, religiosa e de imprensa. O Brasil da esperança combate o racismo e respeita diversidade.

O Brasil da esperança valoriza a economia criativa e a produção cultural. O Brasil da esperança respeita comunidades quilombolas e povos indígenas.

O Brasil da esperança tem compromisso com leis e ética, promove o empreendedorismo e o desenvolvimento tecnológico. O Brasil da esperança preserva o meio ambiente e estimula o uso de energias renováveis.

O Brasil da esperança apoia pesquisas acadêmicas, aposta na ciência, defende a indústria 4.0 e o agro sustentável e tecnológico.

O Brasil da esperança tem as Forças Armadas como instituição de Estado. O Brasil da esperança trabalha pela paz e harmonia entre nações, fortalecendo a cooperação internacional.

O Brasil da esperança organiza as contas públicas, oferece segurança jurídica e atrai investimentos. O Brasil da esperança valoriza o Estado nos setores essenciais, principalmente em Saúde, Educação, Segurança Pública e Assistência Social.

O Brasil da esperança estimula a iniciativa privada. O Brasil da esperança gera empregos para todos os brasileiros.

O Brasil da esperança não alimenta ódios, rancores, racismo ou conflitos. O Brasil da esperança é de paz e trabalho. O Brasil da esperança é o nosso país sendo uma grande nação.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.