ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
O primeiro é psicólogo e mestre em Psicologia Institucional, e o segundo é psiquiatra, com especialização em infância e adolescência

Negacionistas aceitam achismos como substitutos da ciência

Ciência também é falha, pois também é atividade humana. Porém as falhas devem sempre ser interrogadas por meio da própria ciência, com método e corpo teórico

Publicado em 09/04/2021 às 14h00
Produção de conhecimentos tem sido suplantada por realidades subjetivas
Produção de conhecimentos tem sido suplantada por realidades subjetivas. Crédito: Harish Sharma/ Pixabay

Em meados de 2010, ficamos maravilhados com a possibilidade ilimitada de acesso aos conhecimentos produzidos por outras áreas do saber. Áreas diversas da ciência poderiam se entrelaçar: Psiquiatria, Matemática, Direito e Cuidados Paliativos são apenas breve exemplos; as interseções de saberes pareciam infinitas.

Tal fato, poderia permitir o aprimoramento dos conhecimentos humanos de maneira ampla e com grandes ganhos. Contudo, a avalanche negacionista aos saberes constituídos quanto ao uso de vacinas, mesclada com possíveis transtornos do espectro da esquizofrenia que circula de forma não diagnosticada nos ambientes sociais e políticos, alguns camuflados como científicos, parece que suplantou aquela esperança de 2010.

Grosso modo, a esquizofrenia pode ser percebida pela presença de sintomas como delírios, alucinações, desorganização do pensamento, da conduta, bem como sintomas que caracterizam a ausência da capacidade de expressão de emoções e perdas cognitivas , em especial déficit da capacidade de abstração e de problematização de tema. Ou seja, trata-se de doença produtora de importante impacto cognitivo, funcional e afetivo.

Dentro desse panorama, a ilimitada possibilidade de produção de conhecimentos das ciências com a junção de várias áreas parece que foi absorvida por realidades subjetivas pautadas no negacionismo ostensivo e intermediado por desorganização do pensamento. Tal negacionismo parece que assumiu vida própria e descontrolada, permitindo a criação de algo perigoso para uma sociedade que busca se construir por meio de saberes que possam ajudar no desenvolvimento da vida.

A ciência também é falha pois também é atividade humana. Porém, as falhas devem sempre ser interrogadas por meio da ciência propriamente dita, ou seja, as críticas, mesmo que ácidas, devem ter um objeto, um método e um corpo teórico minimamente crítico. Os negacionismos, por si sós, significam aceitar que os achismos e as falácias lógicas de todas as ordens serão os substitutos legítimos das ciências. Este é o caminho que a sociedade escolherá?

* Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Coronavírus Saúde mental Ciência

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.