ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É superintendente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE-ES)

Lições deixadas pela pandemia para o mercado de trabalho

Inteligência emocional, criatividade e afinidade com as novas tecnologias são algumas habilidades que sempre foram valorizadas, mas que estão ainda mais em evidência no momento atual

Publicado em 29/07/2021 às 14h00
Startups estão, na maioria dos casos, ligadas ao desenvolvimento de inovações tecnológicas
Crise do novo coronavírus acelerou mudanças trabalhistas. Crédito: Startup Stock Photos/ Pixabay

novo coronavírus causou grande impacto mundial, muito além da área da saúde, e as transformações vivenciadas devem traçar uma linha dividindo o mundo antes e depois do Covid-19. O mercado de trabalho foi bem impactado, mas será que os trabalhadores e estagiários estão preparados para essa transformação?

As mudanças nas relações trabalhistas já podem ser percebidas. Empresas precisaram repensar seu modelo de negócio para sobreviver à crise, adotando o home office, por exemplo. Com isso, surgem novas demandas, novas habilidades profissionais que a pandemia deixou ainda mais em evidência. Para quem quer ter sucesso no mercado de trabalho atual e do futuro, é preciso conhecer essas habilidades e aprender a desenvolvê-las.

Uma das principais delas, sempre demandada, mas que passou a ser imprescindível no cenário atual, é a inteligência emocional. A habilidade de controlar e saber expressar as emoções no ambiente de trabalho influencia em todo o clima organizacional e produtividade, por isso os recrutadores estão cada vez mais atentos a esse aspecto, buscando identificar essa característica desde as seleções para estágio.

E se o investimento em tecnologia foi a principal saída para muitas empresas manterem os negócios durante a pandemia, nada mais natural do que a alta demanda por profissionais e estagiários com habilidades tecnológicas. É preciso ter conhecimento e facilidade de lidar com esses recursos para agregar valor ao trabalho. Conhecimentos em marketing digital, e-commerce, produção de conteúdo para internet, deixaram de ser demandas de áreas específicas e agora é cada vez mais necessário que todos tenham noções desses temas.

Este vídeo pode te interessar

Dominar e ter conhecimentos em tecnologia já abre caminho para uma outra habilidade que a pandemia colocou ainda mais evidência: criatividade e inovação. Não é de hoje que se fala nisso, mas o que ficou ainda mais claro nesse período é que o pensamento inovador é a única forma de sobreviver à crise e ele é colocado em prática nas organizações pelas pessoas que a compõem.

Todas essas habilidades se misturam com a necessidade do atual modelo de trabalho, alguns remotos, outros híbridos. É o começo da era do ambiente de trabalho personalizado. Não há uma resposta pronta para o modelo ideal de trabalho. É preciso combinar o DNA da empresa com o perfil das pessoas.

Com o mercado voltando a aquecer, as lições tiradas do período mais complicado da pandemia permanecem ainda frescas na mente dos gestores das organizações. A importância de uma equipe qualificada e com o domínio de certas habilidades é uma delas, e isso tem impactado em processos seletivos cada vez mais competitivos, com alto grau de exigência até para estagiários. É claro que esses são estudantes em aprendizagem no ambiente profissional, mas também é preciso que estejam atentos, como todos os profissionais, às tendências atuais para aumentar as chances de sucesso na carreira futura.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.