ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É médico psiquiatra, mestre em Ciências Fisiológicas e professor de pós-graduação da UVV

Covid: quando a mente pede a conta e o vírus é implacável em cobrá-la

Sintomas neuropsiquiátricos provocados pelo coronavírus promovem sequelas que podem durar por meses, como perda de atenção e a memória, mesmo em adultos jovens. É preciso estar atento aos sinais

Publicado em 04/05/2021 às 02h00
Ansiedade é uma emoção natural, mas há risco de limites forem ultrapassados
Ansiedade é uma emoção natural, mas há risco de limites forem ultrapassados. Crédito: Pixabay

novo coronavírus, identificado na China no final de 2019, possui um alto potencial de contágio, e sua incidência aumentou exponencialmente ao longo dos meses seguintes. Sua transmissão generalizada foi reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma pandemia em 11 de março de 2020. Até o fim de abril, a Covid-19 resultou em mais de 150 milhões de casos e 3,2 milhões de mortes.

Desde então um novo modo de viver passou a ser comum em todo o mundo. Com ele houve um aumento da exposição à estressores, associados à uma variedade de fatores como: o medo da doença em si, sentimentos de frustração pelos planos cancelados, tédio pelo isolamento social, insegurança financeira e até mesmo insegurança quanto à qualidade das informações recebidas.

Não bastasse isso, temos ainda o impacto de milhares de processos de luto seguindo um rumo mal-resolvido, muitos sem sequer conseguir ver pela última vez seu ente querido. De outro lado, a impossibilidade de vivenciar fatores aliviadores como habitualmente poderíamos fazer, como momentos de lazer, atividades físicas coletivas e reuniões sociais tornou tudo mais pesado, muitos procurando alívio em caminhos perigosos como álcool e descontrole alimentar.

Com a balança tendendo claramente para o lado da exaustão emocional, ficou complicado experimentar prazer e satisfação, nas atividades laborais, acadêmicas ou sociais. Muitos já não se reconhecem, percebendo claramente que esse estresse crônico não tem passado em branco.

A ansiedade é uma emoção natural, sempre ativada quando precisamos nos adaptar a algum evento, bom ou mau, que altere nossa rotina. Contudo essa capacidade de se adaptar tem limites e, se ele é ultrapassado, o enfrentamento dessas situações fica prejudicado. Já nesse momento alguns sinais de que há algo errado podem aparecer: irritabilidade, alterações no sono, piora ou aparecimento de quadros como úlceras, gengivites, psoríase, hipertensão arterial e disfunções sexuais, entre outros.

Nessa hora, entrar em contato com o problema que está ocorrendo, buscando ser racional e resolutivo, pode ajudar muito, mas para isso não conte com o vírus, ele é implacável! Além de provocar sintomas respiratórios e gastrointestinais, está claro hoje que o SARS-CoV-2 (vírus que causa a Covid-19) é capaz de causar muito mais que a perda de olfato no sistema nervoso.

Existem sintomas neuropsiquiátricos provocados pela doença a curto e a longo prazos, promovendo sequelas que podem durar por meses, mesmo em adultos jovens, não relacionadas com o grau de acometimento pulmonar que o paciente apresentou. Tudo isso sugere que o envolvimento cerebral persiste mesmo ao final do quadro agudo da Covid-19. São particularmente prejudicadas a atenção e a memória, vitais para que seja elaborada uma resposta adequada nesse momento.

A explicação para esse impacto tem relação com as modificações provocadas pelo quadro inflamatório no sistema nervoso central, com alterações nos níveis de vários neurotransmissores, levando também a piora de quadros de ansiedade e depressão pré-existentes ou aparecimento de novos quadros. Certamente isso vai impactar nos índices de suicídio, como alguns estudos já demonstram, uma vez que este é o desfecho comum de vários processos de adoecimento mental, mas também está relacionado à diminuição do repertório cognitivo do indivíduo. Permanecer atentos a esses sintomas e procurar logo uma reabilitação funcional pode diminuir a carga da doença ao longo dos anos e seus impactos na sociedade.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

Depressão Coronavírus Covid-19 Saúde mental Ansiedade Pandemia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.