ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É professor de História, mestre em História pela UFPR e especialista em Gestão Integrada em Segurança Pública pela UVV

Centro de Vitória pede olhar atento, em nome da paz e da tranquilidade

Representações formais da região reivindicam do poder público medidas políticas que invertam o processo de declínio econômico, assim como ações de prevenção contra a violência e a desigualdade social

Publicado em 31/07/2021 às 14h00
Cidade Presépio, ensaio fotográfico em longa exposição da Cidade de Vitória / Vista da Avenida Beira-Mar, no Centro de Vitória 
Vista da Avenida Beira-Mar, no Centro de Vitória . Crédito: Fernando Madeira

As mercadorias mais desejadas do mundo são a paz e a tranquilidade, não são a felicidade e a liberdade, ao contrário do que se imagina. Em todos os cantos, individual ou coletivamente, pessoas, organizações e grupos sociais buscam uma alternativa para alcançá-las, mesmo que, por vezes, isso signifique a supressão do valor “liberdade”, como ensinam Zygmunt Bauman, Christian Dunker e Verónica Gago.

Numa pequena conversa com os moradores do Centro de Vitória, do asfalto e dos morros, o debate que emerge, de imediato, é sobre a melhoria da qualidade de vida da localidade, especialmente a luta pela promoção da segurança pública.

As representações formais do bairro, sejam as associações de moradores, sejam as associações patronais (sindicatos, cooperativas, entre outras), mesmo com diferentes preocupações sociais e políticas, reivindicam do poder público medidas políticas que invertam o processo de declínio econômico da região, assim como ações de prevenção contra a violência e a desigualdade socioeconômica. 

Uma usina de ideias manifesta em ofícios, reuniões, abaixo-assinados e protestos mobiliza os moradores do Centro de Vitória, que já têm o diagnóstico claro dos desafios enfrentados pela região: o problema da herança imobiliária, da segurança pública e da agonia econômica local (região comercial). Três problemas que indicam um quarto: a ausência da participação efetiva do poder público na construção de um planejamento urbano que possa responder às diferentes demandas e reivindicações das comunidades que formam o Centro de Vitória.

E, quando se fala de um planejamento urbano local, não se trata de um conjunto de ideias, ações e diretrizes decididos de forma centralizada, por um corpo de especialistas e parte da burocracia estatal. Não é disso que estamos falando e muito menos dos atores políticos e sociais que têm cotidianamente colocado na cena pública os problemas vividos pelo Centro de Vitória.

Trata-se, sim, da construção de um planejamento urbano local cujos sujeitos de produção sejam os moradores do Centro e que os seus objetivos e metas sejam produzidos a partir das demandas e reivindicações eleitas pela coletividade. Ou seja, que a utopia da paz e da tranquilidade para todos seja a grande bússola de orientação. Isso significa que os poderes públicos, estadual e municipal, o capital imobiliário/herança imobiliária e o capital comercial, que fazem do Centro de Vitória um lugar de uso, devem assumir a agenda popular de melhorias daqueles o fazem um lugar de morar.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.