ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É assistente social da Polícia Federal e mestre em Segurança Pública pela UVV

Alto número de mortes de policiais por Covid serve de alerta a gestores

Monitor da Violência aponta que 465 policiais civis e militares da ativa morreram em decorrência do coronavírus em 2020, mais que o dobro do número de agentes mortos em confronto

Publicado em 28/04/2021 às 02h00
Polícia Militar no bairro Jardim da Penha
Polícia Militar no bairro Jardim da Penha, em Vitória. Crédito: Carlos Alberto Silva

A pandemia do novo coronavírus nos impôs a mudança de posturas, hábitos sanitários e acentuou questões já existentes, como a negligência com a segurança no trabalho policiais. Treinados para o risco físico, mas não biológico, o número de profissionais de segurança pública mortos por Covid-19, em apenas um ano, foi maior que a quantidade que perdeu a vida em decorrência da violência urbana ou por conta do serviço.

Dados divulgados pelo Monitor da Violência, com base nos levantamentos do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do Núcleo de Estudos da Violência da USP, mostram que 465 policiais civis e militares da ativa morreram em decorrência do coronavírus em 2020, mais que o dobro do número de agentes assassinados ou mortos em confronto. E 126.154 policiais foram afastados de suas atividades por causa da doença, cerca de 25% do total do efetivo no país.

Esse número é ainda mais avassalador se considerarmos que não foram incluídas as mortes por Covid-19 de bombeiros, guardas civis, policiais rodoviários federais e policiais federais. Também não foram computadas as mortes ocorridas em 2021, período de agravamento da pandemia.

Mesmo estando na linha de frente desde o início da pandemia, só em março de 2021, após muita luta, é que profissionais da segurança pública ganharam o direito de serem vacinados, já que estavam fora dos grupos prioritários do Programa Nacional de Imunização.

Apesar da indiferença da sociedade e de gestores da segurança pública, o trabalho de policiais é uma “roleta russa" com vulnerabilidades físicas e mentais. E numa pandemia, como estão no “nível da rua” em contato com a população e situações de aglomerações, o risco é potencializado pela constante possibilidade de contaminação.

Além da vacinação em massa e a distribuição de materiais adequados para proteção individual e coletiva, é fundamental a conscientização sobre a importância das rotinas de cuidado e dos protocolos para minimização do contágio, essenciais para que os policiais realizem seu trabalho de forma segura.

É urgente romper com o negacionismo e adotar estratégias que verdadeiramente promovam a segurança no trabalho numa lógica responsável de autocuidado, garantia de direitos e preservação da vida de policiais. Afinal, a missão é árdua e o inimigo agora é outro.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.