ASSINE

Tecnologia está no centro das atenções do mercado e das universidades

Mudanças já eram constantes, mas foram impulsionadas pela pandemia de Covid-19. Especialistas apontam que faculdades precisam adotar currículos mais práticos

Programador, tecnologia, internet, programação, inovação
Profissões ligadas à tecnologia, como programador, estão em alta no mercado de trabalho. Crédito: Pressfoto/Freepik

Imersão no mundo digital, novos modelos híbridos e remotos de trabalho e tendências de mercado focados na inovação. O mundo dos negócios sempre passou por mudanças constantes e teve esse processo de transformação alavancado pela pandemia de Covid-19, que esvaziou escritórios e deixou ainda mais clara a importância da tecnologia. Esse mercado, portanto, está em alta, e especialistas garantem que nele há espaço para diferentes profissões.

Segundo a coordenadora do Findes Lab, Juliana Binda, foi possível experimentar dessa importância durante a pandemia. "Trabalho remoto, ensino on-line, home office… tudo isso demonstra que a transformação é um caminho sem volta", pontua.

Assim, o mercado atual é o resultado de uma soma dos novos modelos de trabalho e uma demanda cada vez mais crescente de profissionais capazes de dominar as tecnologias e se adaptar a diferentes cenários. E essa realidade  desafia todos os lados: os candidatos a se qualificarem; as universidades e redes de ensino a se atualizarem; e as empresas a se atualizarem nos processos de cultura organizacional; conforme aponta Marco Tulio Zanini, professor da FGV e especialista em comportamento organizacional.

Entre as carreiras “em alta”, Zanini destaca todas que têm ligação com o domínio e uso da tecnologia, principalmente da tecnologia da informação (TI). “Envolve redes sociais, dados, machine learning, toda a grande movimentação de análise de dados, de desenhar produtos, serviços para os novos mercados, segurança de dados”, exemplifica.

Este vídeo pode te interessar

Mas, para além de demandas específicas para áreas ligadas ao Ti, Zanini ressalta que o domínio de ferramentas digitais tem se tornado diferencial em qualquer carreira, desde o cientista de dados até jornalistas e advogados que conseguem usar inteligência artificial, analisar dados e compreender profundamente sobre segurança no ambiente digital.

Marco Tulio Zanini

Professor da FGV e especialista em comportamento organizacional

"Temos mercados promissores em biomedicina, bioinformática, o que está ligado à segurança, saúde, proteção ao meio ambiente. Tudo que envolve a tecnologia aplicada, à medicina, à segurança, à experiência do cliente, ou seja, a TI é a grande base"

FACULDADES BUSCAM ADEQUAR CURRÍCULOS

A mudança no perfil de profissional buscado pelo mercado deveria impulsionar, também, uma readequação de currículos e modelo de ensino nas faculdades, ponto de início da qualificação dos alunos. No entanto, ressalta Zanini, as mudanças na academia são mais lentas.

"Algumas faculdades estão fazendo um esforço genuíno para incorporar novas disciplinas e competências nos currículos, mas eu diria que existe um gap muito grande entre a velocidade das mudanças de mercado e o currículo para as universidades", pontua.

Uma forma de caminhar de forma mais próxima às expectativas dos alunos e futuros empregadores, aponta Guilherme Martins, diretor de graduação do Insper, é ouvir o mercado e investir em currículos multidisciplinares e práticos, fugindo da lógica mais tradicional e apostando na estratégia de garantir mais tempo de vivência da profissão para os alunos. O objetivo é formar profissionais que saibam unir conhecimento técnico e habilidade socioemocional.

Guilherme Martins

Diretor de graduação do Insper

"O mercado quer alguém cada vez mais pronto. Ele quer alguém que saiba aplicar o conhecimento. As faculdades precisam se preparar para isso. Precisamos formar alunos que tenham vivência da profissão, adotando a prática de ensino com cases, problemas reais da profissão, ensinando capacidade analítica, de lidar com pessoas, construindo uma sala de aula mais dinâmica. Podemos ter uma dinâmica em que teoria e prática estejam juntas em projetos"

A adequação a novos currículos de ensino é mais fácil para instituições privadas, que mantêm mais autonomia para efetuar mudanças. Algumas faculdades apostam em criar braços de educação profissional e incluir, em seu catálogo de ofertas, cursos de pós-graduação ligados à tecnologia.

No caso do Insper, por exemplo, a instituição está apostando em oferecer cursos de curta e média duração, além de MBAs e pós-graduação, na área de Data Science e programação. O catálogo conta com cursos de dados aplicados ao Direito, Economia da Saúde e negócios.

Segundo Paulo Vitor Onezorge, diretor executivo da UCL, a instituição também oferece cursos de pós-graduação voltados para duas das áreas de maior demanda: Segurança da Informação e Banco de Dados.

Marco Túlio Zanini é professor da FGV e especialista em comportamento organizacional
Marco Túlio Zanini é professor da FGV e especialista em comportamento organizacional. Crédito: FGV/Divulgação

Seguindo a tendência da multidisciplinaridade, a instituição abre o curso de Segurança da Informação, por exemplo, para gerentes, advogados, engenheiros, administradores, ou seja, profissionais que trabalham com informação corporativa e querem se aprofundar no mercado ou atuar com gestão e consultorias.

Sem deixar de lado a demanda por profissionais inovadores, a faculdade também está apostando, segundo Onezorge, em um Hub de inovação para levar empresas para dentro da instituição, com intuito de pensar soluções e gerar novos negócios.

O novo formato influencia, também, no engajamento dos alunos com a instituição. Martins relata que instituições que adequam a esse novo modelo de ensino registram maior participação e engajamento dos alunos, que gostam de ser desafiados e ter contato com os problemas e situações da profissão desde a graduação.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Educação Tecnologia Educação Mercado de trabalho

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.