ASSINE

Competências são aliadas para garantir espaço no mercado de trabalho

Se antes o que mais importava era a formação técnica, agora as empresas contratam quem consegue conciliar conhecimento com habilidades comportamentais

Publicado em 25/11/2020 às 11h06
Atualizado em 25/11/2020 às 11h06
Aliar conhecimento técnico com habilidades comportamentais é a aposta para os novos profissionais
Aliar conhecimento técnico com habilidades comportamentais é a aposta para os novos profissionais. Crédito: Freepik

O mundo do trabalho passa por constantes transformações, e a pandemia do novo coronavírus provocou uma aceleração de novos conceitos e avanços tecnológicos que mudaram a forma de trabalhar e de se comunicar. Se há alguns anos o que mais importava era a formação técnica, hoje as empresas estão focadas em contratar quem consegue aliar o conhecimento com habilidades comportamentais.

De acordo com a última edição do relatório “The Future of Jobs”, do Fórum Econômico Mundial, os profissionais do futuro deverão ter 10 competências essenciais para quem quer se destacar no mundo corporativo.

O documento, divulgado no último mês de outubro, aponta como fundamentais: capacidade de aprendizagem; pensamento analítico e inovação; criatividade, originalidade e iniciativa; liderança e influência social; inteligência emocional; pensamento crítico e análise; resolução de problemas complexos; resiliência, tolerância ao estresse e flexibilidade; design e programação de tecnologia; e orientação de serviço. Como se vê, entraram na lista as habilidades de autogestão (resiliência, tolerância ao estresse e flexibilidade), sobretudo por causa da pandemia e dos desafios  impostos.

A vice-presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos, seccional Espírito Santo (ABRH-ES), Neidy Christo, observa que as competências relacionadas pelo Fórum serão essenciais para qualquer profissional, desde o operacional até as áreas mais estratégicas. Segundo ela, algumas empresas não abrem mão de contratar pessoas que tenham essas habilidades muito bem desenvolvidas, principalmente porque são mais difíceis de serem treinadas.

“A resolução de problemas complexos e pensamento crítico serão fundamentais daqui para a frente. Já a criatividade deverá ser utilizada no sentido de assimilar as mudanças e pensar em maneiras diferentes de se fazer as coisas. A pandemia veio nos mostrar como a tecnologia pode ser usada para realizar reuniões, treinamentos e até dinâmicas de grupo pela internet. Ser criativo para apresentar soluções também será fundamental”, enumera.

Segundo a vice-presidente da ABRH-ES, Neidy Christo, autoconhecimento é fundamental para identificar se o profissional possui habilidades comportamentais
Segundo a vice-presidente da ABRH-ES, Neidy Christo, autoconhecimento é fundamental para identificar se o profissional possui habilidades comportamentais. Crédito: ABRH-ES/Divulgação

Controle das emoções

A inteligência emocional é outra habilidade cada vez mais cobrada dentro das organizações. Neidy ressalta que essa característica serve para que os profissionais possam entender a importância de se ter controle das emoções e perceber as dos colegas.

Neidy Christo

Vice-presidente da ABRH-ES

"Em um processo de recrutamento, por exemplo, o entrevistador pode fazer alguns testes comportamentais, utilizando situações práticas para verificar como o candidato se posiciona ou reage a cada uma delas. Flexibilidade cognitiva e capacidade de aprender também serão determinantes"

Ainda de acordo com a especialista, todos os profissionais, desde os técnicos até aqueles que ocupam posições estratégicas, vão precisar ter uma boa comunicação. Isso vai servir para aprimorar as negociações e melhorar a forma de conversar.

“Essa será uma habilidade cada vez mais requerida e obrigatória. Não estamos falando aqui de oratória, mas sim de uma comunicação para saber falar do que se precisa e da capacidade de ouvir as necessidades dos colegas”, pontua.

Autoconhecimento

A vice-presidente da ABRH-ES orienta que os profissionais façam uma autoavaliação para identificar se detêm tais habilidades. “O autoconhecimento é fundamental. O segundo passo é aprender a ouvir feedbacks, que pode vir de algum colega, por exemplo. Ouvir as pessoas que convivem com você é um bom caminho para isso”, ressalta.

Para a diretora técnica da Rhopen Consultoria, Jaciara Pinheiro, cada vez mais as empresas procuram um combo de comportamentos e habilidades positivas no colaborador, além de só a experiência técnica. “Geralmente, essa busca está relacionada aos nichos de atividades que o profissional vai desenvolver dentro da empresa”, explica.

As 10 habilidades essenciais mais demandadas no Brasil

  • 1) Capacidade de aprendizagem
  • 2) Pensamento analítico e inovação
  • 3) Criatividade, originalidade e iniciativa
  • 4) Liderança e influência social
  • 5) Inteligência emocional
  • 6) Pensamento crítico e análise
  • 7) Resolução de problemas complexos
  • 8) Resiliência, tolerância ao estresse e flexibilidade
  • 9) Design e programação de tecnologia
  • 10) Orientação de serviço

Fonte: Fórum Econômico Mundial

Nichos em que as competências podem ser divididas

  1. 01

    Atividades mais operacionais

    Os perfis mais operacionais exigem menos esses tipos de competências. Isso porque o nível de exigência para esses cargos é menor.

  2. 02

    Perfis táticos

    Para ocupar as áreas de analistas e especialistas, o profissional deve ter grande parte dessas competências, a necessidade vai depender da atividade a ser exercida. A área de Tecnologia da Informação, por exemplo, necessita de profissionais com pensamento analítico, inovação e expertise em design.

  3. 03

    Cargos estratégicos

    Quando falamos de todas as áreas de liderança, a influência social, a inteligência emocional e a resolução de problemas são muito exigidos.

Áreas e competências relacionadas:

Tecnologia da Informação

  • Design e programação de tecnologias;
  • Pensamento analítico e inovação;
  • Aprendizagem ativa e estratégia de aprendizagem;
  • Análise e avaliação de sistemas;
  • Raciocínio;
  • Soluções de problemas complexos;
  • Pensamento crítico.

Comunicação e Marketing

  • Criatividade, originalidade e iniciativas;
  • Pensamento analítico e inovação;
  • Aprendizagem ativa e estratégia de aprendizagem;
  • Resolução de problemas e ideação.

Comercial e vendas

  • Criatividade, originalidade e iniciativas;
  • Pensamento analítico e inovação;
  • Resolução de problemas e ideação;
  • Aprendizagem ativa e estratégia de aprendizagem.

Fonte: Jaciara Pinheiro, diretora da Rhopen

Mercado de trabalho

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.