ASSINE
Formada em Ciências Contábeis pela UFES, com MBA em Controladoria e Finanças e certificações em metodologias ágeis e métricas de produtos. Atua há mais de 17 anos no setor bancário e atualmente lidera a área de Criatividade e Inovação do Banestes.

Cheque especial: vilão ou aliado?

Entenda como essa modalidade de crédito funciona, quando utilizar o limite e quais cuidados você deve tomar para não ficar no vermelho

Vitória
Publicado em 05/05/2022 às 09h28

Todo mundo já passou por algum aperto financeiro. Aquele mês no qual, por exemplo, a conta do condomínio veio maior do que o planejado e não havia dinheiro suficiente para efetuar o pagamento.

Imprevistos acontecem e é no momento da emergência que ter um crédito pré-aprovado e disponível na conta para utilização imediata pode te ajudar. Na maioria dos bancos, esse tipo de crédito é chamado de cheque especial, mas também pode ter outros nomes, como cheque azul, limite para saque, crédito de emergência, entre outros.

O cheque especial nada mais é do que um tipo de empréstimo pré-aprovado que fica disponível na sua conta para utilizar caso o seu dinheiro acabe e precise resolver uma emergência. Mas, atenção! Como se trata de um empréstimo, sempre que você utilizar esse limite, precisará pagar juros e outras taxas, como IOF, que é o Imposto sobre Operações Financeiras, estabelecido por lei.

Cheque especial
Cheque especial. Crédito: gheatza / Getty Images/iStockphoto

Mas, você sabe como utilizá-lo de forma mais adequada?

Alguns bancos oferecem, como benefício aos clientes, a concessão de 10 dias para pagamento do valor utilizado do limite do cheque especial sem a cobrança de juros sobre o valor, apenas do IOF. Portanto, essa pode ser uma opção para resolver uma emergência, mas é preciso ter atenção e controle para efetuar o depósito na conta e realizar o pagamento o mais rápido possível, pois os juros cobrados são referentes à quantidade de dias que você utilizou para quitar o empréstimo.

Os juros desse tipo de crédito são um dos mais caros, ficando atrás apenas do cartão de crédito e, por isso, deve ser utilizado com bastante cautela e apenas em casos de exceção. Você pode usar o seu limite de cheque especial para pagar contas importantes, evitando multas e protestos de títulos, por exemplo, ou ainda para evitar a devolução de cheques, caso você utilize esse instrumento financeiro.

Saiba o que você deve evitar:

  • Jamais conte com esse limite como uma extensão do seu salário e evite utilizá-lo para fazer compras rotineiras ou compensar um descontrole financeiro.
  • Nos casos em que você precisar de um valor maior de dinheiro e de prazos maiores para efetuar o pagamento, deve optar por outros tipos de crédito, como crédito consignado ou crédito pessoal, por exemplo, que possuem taxas de juros mais baixas, se comparadas ao cheque especial.

Cheque especial: vilão ou aliado?

Por fim, o cheque especial pode ser seu aliado para resolver uma emergência, evitando multas elevadas por não pagar contas no prazo e até mesmo a negativação do seu nome, mas, se o pagamento não for realizado no curto prazo e houver incidência dos juros, a dívida pode se transformar em uma bola de neve e, então, o cheque especial se torna um vilão.

E lembre-se, o melhor a fazer sempre é cuidar da saúde financeira, fazer um planejamento e construir uma reserva de emergência. É ela que pode te ajudar a manter suas contas no azul em caso de imprevistos.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Isis Parteli dinheiro Crédito Educação Financeira

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.