ASSINE

Capixaba direto de Porto: os portugueses são preocupados e estão se adequando à nova realidade

O gestor Renato Oliveira, que mora com a família em Porto, acredita que o país não sofrerá como Itália e Espanha porque tomou atitude rápido e porque todos estão respeitando o  pedido das autoridades para sair só em caso de necessidade

Publicado em 19/03/2020 às 19h58
Renato Oliveira com a mulher, Patrícia, e a filha, Elena. Crédito: Divulgação
Renato Oliveira com a mulher, Patrícia, e a filha, Elena. Crédito: Divulgação

O gestor e palestrante capixaba Renato Renato Oliveira,  de 43 anos, mora no Porto, Portugal, com a mulher, Patricia, e sua filha, Elena. Ele disse que a cidade, sempre lotada  de turistas, está vazia. Mesmo com dias lindos e temperaturas agradáveis, poucas pessoas circulam pelas ruas e praias. Os comércios funcionam com horário reduzido,  assim como os  supermercados, e os parques e praças foram cercados, para evitar a aglomeração  de pessoas, principalmente as idosas. Em esquema de home office, Renato diz que não está com medo, mas preocupado por nunca ter vivido algo parecido. "Os portugueses estão se adequando a tudo que está sendo pedido. Acredito que não passaremos pelo  que Itália e Espanha estão passando".

Qual a sensação por ai?

Até dia 13 de março (última sexta) o governo não havia feito um comunicado oficial e as pessoas estavam fazendo as coisas praticamente “normalmente”. Crianças nas escolas, shoppings funcionado... Tudo praticamente normal, apesar da preocupação em relação à Europa,  em particular, a Itália e a Espanha. Portugal tinha poucos casos ainda. Hoje, a sensação é de apreensão e preocupação de todos.

Você tem saído de casa?

Sim, mas só para o necessário, para fazer algumas compras de supermercado. Eu mesmo sou gestor de um clube e ele está fechado devido as recomendações que recebemos do Serviço Nacional de Saúde. Saí no sábado (14 de março) para pedalar com um amigo e fomos à praia ver com estava . O dia estava lindo, de muito sol, com uma temperatura agradável, em torno de  15º graus. E ao chegar na praia vimos um local que vive cheio de gente com bem poucas pessoas circulando.

Como tem sido em relação ao trabalho/estudo?

As universidades estão todas fechadas. As escolas secundárias com aulas suspensas. Os estabelecimentos com funcionamento restrito ( ex: supermercado das 11 da manhã as 20 horas) . Temos supermercados aqui que funcionavam das 9 às 23 horas. Em relação ao trabalho, como sou gestor de um clube, as atividades desportivas foram suspensas (Quase 800 atletas, 8 modalidades, 42 equipes ) estão sem poder usar as instalações do clube. Aliás, todos os clubes que desenvolvem o desporto e paradesporto estão fechados . E todos os espaços públicos para práticas de desporto e lazer (e são muitos) estão isolados, sem acesso. Medidas feitas para que evitem aglomerar gente em um local (por mais limpo e a ao ar livre que possa ser) a preocupação tem a ver com o contato das pessoas.

Tem clima de pânico?

Em Portugal não. Foram medidas pontuais e o governo, penso eu, deu uma resposta rápida para que não se repetisse aqui o que ocorreu na Itália e na Espanha. Em menos de 48 horas fizeram um comunicado e todos estão se adequando e respeitando. Particularmente nunca havia passado por isso e hoje, numa reunião que fiz via Skype com alguns treinadores (portugueses), o relato deles foi o mesmo. Os portugueses são preocupados por natureza e, nessa situação, realmente não saem de casa. Só para o básico (comprar comida ou ir a uma farmácia).

Você está com medo?

Medo não. Preocupado sim porque é uma novidade para todos nós. E estamos nos adequando à realidade. Ainda bem que o tempo está bom (sol e temperatura em torno de 10, 12º graus) e consigo brincar com minha filha no quintal.

As ruas estão vazias? E o comércio?

Sim. Porto vive basicamente do comércio e do turismo. O Porto foi escolhido pela plataforma internacional de viagens “Culture Trip” como o melhor destino na Europa e o segundo a nível mundial para visitar em 2019. Ruas sempre muito cheias, muitos estrangeiros vinham para o Porto para passear. E o que se via eram bares e restaurantes sempre “lotados” de estrangeiros. Pouco escutávamos a língua portuguesa. Hoje, o que se vê é um funcionamento restrito (cafés e restaurantes). Aqui as pessoas gostam de sair para tomar café na esplanada (que seria a varanda de um café ou restaurante) que fica ao ar livre. E como não temos pessoas nas ruas, o próprio comércio funciona com horário reduzido. 

Algum evento cancelado?

Por conta do Covid-19 os principais congressos, atividades desportivas e culturais foram cancelados em Portugal. O português é apaixonado por futebol e a principal competição que é o campeonato português teve seus jogos adiados neste mês de março. As grandes feiras, conferências e espetáculos foram cancelados ou adiados. A 46 ª feira de moda, a Portugal Fashion, também foi cancelada aqui. Os portugueses são muito religiosos, e a ida as igrejas é um hábito. O que fizeram as igrejas? Estão fazendo a transmissão dos cultos via Internet para evitarem aglomerados de idosos, que são o principal grupos de risco. Ah! Academias de ginástica (ginásio) também  estão todas fechadas.

O que teria a dizer pra quem está aqui ?

Digo para ficarem atentos. Aqui na Europa, os países que não levaram a sério o Covid-19 num primeiro momento estão tendo muitas dificuldades. Em Portugal eles foram muito rápidos em suspender tudo e tomar as primeiras medidas. Diria que estamos bem e seguindo as recomendações que são passadas.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.