ASSINE

Força para novos tempos

Selita adota novos cuidados com o produtor e está junto com os grandes feitos dos capixabas

Publicado em 03/06/2020 às 16h58
Atualizado em 04/06/2020 às 15h28
A expectativa é que no fim de 2020 e no início de 2021 comecem os primeiros testes para funcionamento da nova indústria da Selita
A expectativa é que no fim de 2020 e no início de 2021 comecem os primeiros testes para funcionamento da nova indústria da Selita. Crédito: Renan Calabrez

Tradição. Pelo dicionário, significa costume transmitido de geração em geração ou aquilo que se faz por hábito. Seguindo o conceito, falar de Corpus Christi em Castelo é levar nossas memórias a uma festa religiosa que se transformou na herança de um povo. Falar de tradição também é remeter nossas lembranças a uma Cooperativa que há 81 anos faz parte da vida dos capixabas: a cooperativa de leites e derivados Selita. Duas fortalezas do Estado do Espírito Santo que não poderiam estar separadas num momento tão conturbado como o que vivemos neste 2020, com a pandemia da Covid-19.

Leonardo Monteiro

Diretor presidente da Cooperativa

"A Selita faz parte da história do capixaba assim como os eventos tradicionais do nosso Estado. Somos uma marca que representa a identidade do povo capixaba e a festa de Corpus Christi em Castelo também é uma marca que cresce a cada ano. Para nós da cooperativa é uma honra poder valorizar, contribuir e fazer parte da cultura, religião e da tradição do Espírito Santo."

A valorização e a contribuição da empresa vão além do apoio aos maiores eventos do Estado. Num cenário de incertezas com o avanço do novo coronavírus, a Selita selou seu compromisso em entregar os melhores produtos sem deixar de lado sua preocupação com seu grande parceiro: o produtor rural.

Leonardo Monteiro

Diretor presidente da Cooperativa

"Nossos cooperados se conscientizaram e atenderam a solicitação em só comparecerem a cooperativa em casos de extrema necessidade. Estamos estimulando o uso do Portal do Cooperado para que eles tenham acessos a todas as informações referentes as suas operações com a cooperativa. Eles entenderam que são cuidados para a saúde da cooperativa, para a saúde deles e de suas famílias."

Os cuidados também estão dentro da fábrica, com os colaboradores que atuam na linha de frente da produção de leites, queijos e derivados. Foram implementadas barreiras sanitárias na entrada da cooperativa com sanitização dos carros e dos pés com hipoclorito de sódio, aferição da temperatura das pessoas, uso de máscaras e álcool gel e regras para utilização do refeitório para evitar aglomeração.

Colaboradores que fazem parte do grupo de risco estão em casa e com faltas abonadas e o acesso de terceiros também foi reduzido. São medidas de segurança que seguem as orientações das autoridades de saúde e, revelam, acima de tudo, o cuidado com os funcionários e também com o produto entregue a cada capixaba. Essas mudanças foram necessárias para uma cooperativa com mais de oito décadas de história e que são vistas como o grande desafio do século. Afinal, um “novo normal” terá que ser aceito pelo mundo.

Leonardo Monteiro

Diretor presidente da Cooperativa

"Não tem como fugir, todos teremos que nos adaptar. Será um momento de mudanças e a cooperativa precisa estar atenta para acompanhar. A forma de consumir será diferente, e teremos que atender as novas demandas do mercado. As empresas precisam entender seu papel nas ações de responsabilidade social. Também será o momento de entender como é possível ter um impacto positivo maior na vida das pessoas através dos nossos produtos."
Para o diretor-presidente da Selita, Leonardo Monteiro, é preciso ser otimista, ter fé e trabalhar
Para o diretor-presidente da Selita, Leonardo Monteiro, é preciso ser otimista, ter fé e trabalhar. Crédito: Equipe HG2

Nova indústria em 2020

Mesmo diante de um cenário de incertezas que afeta diretamente a economia mundial, a Cooperativa Selita revela mais uma vez sua força e solidez. Prova disso são as obras da nova cooperativa na região de Safra. Uma indústria moderna com capacidade para atender as demandas do mundo moderno.

“Estamos construindo uma nova indústria, não só por coragem e sim porque temos a necessidade de diminuir nossos custos. Não podemos ficar para trás de empresas com eficiência administrativa melhor e com custos menores. A obra já está 60% concluída com previsão para o fim de 2020 e no início de 2021 começaremos os primeiros testes para funcionamento”, explica o diretor presidente da Cooperativa Selita, Leonardo Monteiro.

Desafios que vão sendo vencidos a cada etapa. Afinal, para quem está no mercado há 81 anos, não falta experiência para enfrentar as adversidades e sair ainda mais forte, selando assim o compromisso com os capixabas. Para Monteiro, a mensagem é curta e forte: “Precisamos ser otimistas, ter fé e trabalhar.”

A Gazeta integra o

Saiba mais
Corpus Christi

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.