ASSINE

Instituto Gamaleya e fundo russo respondem à Anvisa sobre vacina Sputnik V

O imunizante teve a autorização de importação negada pela Anvisa na segunda-feira (26). Diretores alegaram falta de dados de eficácia e segurança

Publicado em 30/04/2021 às 14h44
Especialista exibe amostra da vacina contra Covid-19 chamada Sputnik, produzida em São Petersburgo, Rússia
Na avaliação da equipe da Sputnik V, a tecnologia de purificação é a melhor dentre todas as vacinas e é um dos pilares para a segurança do imunizante. Crédito: REUTERS / Anton Vaganov / Folhapress

O Instituto Gamaleya e o Fundo de Investimento Direto da Rússia, responsáveis pela produção da vacina Sputnik V, enviaram um documento, na quinta-feira (29), à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em resposta aos pontos questionados pelo órgão regulador. Na segunda-feira (26), a Anvisa negou autorização para importação de doses do imunizante

Segundo informações da Secretaria do Estado do Piauí, o documento contém 55 páginas e foi encaminhado pelo Consórcio Nordeste, por meio da Procuradoria Geral da Bahia (PGE), ao presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres.

Dentre os problemas apontados pela agência reguladora, foi questionada a presença ou não de adenovírus com capacidade de replicação no corpo dos pacientes que receberem doses da vacina. O instituto, no entanto, garantiu controle de qualidade nos locais de produção.

"A qualidade e segurança da Sputnik V são, entre outras coisas, asseguradas pelo fato de que, ao contrário de outras vacinas, usa uma tecnologia de purificação com quatro estágios que inclui dois estágios de cromatografia e dois estágios de filtragem por fluxo tangencial", afirma a entidade.

No documento, é afirmado que essa tecnologia de purificação auxilia na obtenção de um produto purificado que passa por controles de qualidade. Na avaliação da equipe da Sputnik V, a tecnologia de purificação é a melhor dentre todas as vacinas e é um dos pilares para a segurança do imunizante.

Em resposta à falta de informação sobre o risco de trombose, o laboratório destaca que "a análise aponta para zero casos de trombose cerebral entre adultos que receberam a vacina". No documento, o laboratório diz haver provas incondicionais de eficácia e segurança da vacina demonstradas pelos resultados da fase 3 do estudo clínico conduzido.

"Nós realizamos todos os testes necessários e relevantes para confirmar a segurança da vacina. A suficiência dos testes conduzidos é confirmada pela situação de registro da droga", diz o documento.

Anvisa Brasil Brasil Brasil Rússia Rússia

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.