ASSINE

Cidades de Portugal cancelam festas de Réveillon

O aumento nos casos de Covid-19 nas últimas semanas e a preocupação com a variante ômicron do coronavírus fizeram com que várias cidades decidissem não realizar eventos que favoreçam aglomerações

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 08/12/2021 às 14h39
Vista área de Lisboa, capital de Portugal
Vista área de Lisboa, capital de Portugal. Crédito: Luiz Barucke/ Flickr

Lisboa, Porto, Coimbra e outros municípios de Norte a Sul de Portugal decidiram cancelar as comemorações de Réveillon.

O aumento nos casos de Covid-19 nas últimas semanas e a preocupação com a variante ômicron do coronavírus fizeram com que várias cidades decidissem não realizar eventos que favoreçam aglomerações, como shows e outros espetáculos culturais, na noite da virada.

A decisão quanto aos tradicionais de fogos de artifício, porém, não foi unanimidade. Enquanto o Porto decidiu cancelar a queima, algumas cidades da região do Algarve, por exemplo, têm planos de manter o espetáculo pirotécnico.

Na capital portuguesa, a Câmara Municipal (equivalente à Prefeitura) aguarda um parecer da DGS (Direção-Geral da Saúde) antes de bater o martelo.

"Estamos à espera das autoridades [de saúde]. Eu gostaria muito de ter a capacidade de fazer os fogos de artifício, mas estamos, neste momento, a analisar a situação. Concertos e tudo o que era típico numa noite de 31 [de dezembro], isso não vai ter lugar, infelizmente", disse o prefeito de Lisboa, Carlos Moedas.

Este vídeo pode te interessar

Nas últimas semanas, Portugal tem assistido a um aumento dos novos casos de Covid-19. A alta cobertura vacinal, com mais de 87% da população completamente vacinada, tem mantido as hospitalizações e mortes em patamares que ainda não são considerados críticos por especialistas.

O país, no entanto, já confirmou mais 30 casos da variante ômicron do SARS-CoV-2. Por enquanto, todos associados a um surto em um time de futebol da primeira divisão, o Belenenses SAD.

Desde o dia 1º de dezembro, Portugal voltou ao estado de calamidade e reimplantou algumas medidas de combate ao vírus.

A principal mudança é a obrigatoriedade de apresentação de certificado de vacinação completa -ou teste negativo para a Covid-19- para frequentar espaços internos de restaurantes, cinemas, teatros e academias de ginástica.

Para a entrada em bares, discotecas e grandes eventos (como jogos de futebol), Portugal agora exige, mesmo para as pessoas vacinadas, a apresentação de um teste negativo para o coronavírus.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Portugal Coronavírus portugal Mundo Mutação do Coronavírus

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.