ASSINE

Domínio de línguas estrangeiras derruba barreiras do cidadão do mundo

Falar outras línguas, além da materna, hoje é algo imperativo para quem quer estudar fora, pleitear vagas em empresas ou universidades e até viajar

Publicado em 15/10/2020 às 17h43
Atualizado em 15/10/2020 às 17h43
Toda a proposta pedagógica do Leonardo da Vinci estimula os estudantes a vencerem qualquer barreira de linguagem. Foto registrada antes da pandemia
Toda a proposta pedagógica do Leonardo da Vinci estimula os estudantes a vencerem qualquer barreira de linguagem. Foto registrada antes da pandemia. Crédito: Leonardo da Vinci/Divulgação

Interesse por cursar graduação ou pós-graduação no exterior, oportunidades de intercâmbios estudantis ou profissionais, vagas de trabalho com colegas de múltiplas nacionalidades, projetos executados no exterior, viagens turísticas mais acessíveis para diversos países. Seja qual for o motivo, a maioria das barreiras para atuar, estudar ou visitar países diferentes da própria nacionalidade foi derrubada nos últimos anos. Nesse cenário, o domínio de línguas estrangeiras não pode mais ser uma barreira para tornar-se um cidadão capaz de se colocar em qualquer lugar do mundo.

Comprovadamente, quando esse aprendizado começa ainda na infância e é ampliado ao longo da educação básica, o contato do aluno com o conjunto de conceitos, habilidades e valores que caracterizam uma determinada cultura torna-o integrado física e socialmente à língua em questão.

É o que se percebe no chamado Ensino Bilíngue do Centro Educacional Leonardo Da Vinci, que este ano completa 15 anos, promovendo um diálogo contínuo entre currículos tradicionais e de perspectiva cultural com contribuições que aprofundam a aprendizagem e a formação integral do aluno.

Em parceria com a University of Missouri, o Leonardo da Vinci conta com professores estrangeiros. Foto registrada antes da pandemia
Em parceria com a University of Missouri, o Leonardo da Vinci conta com professores estrangeiros. Foto registrada antes da pandemia. Crédito: Leonardo da Vinci/Divulgação

Segundo a coordenadora do Programa Bilíngue na educação infantil da escola, Dora Sodré, a partir do infantil II na modalidade Integral até o 1º ano do ensino fundamental, as aulas diariamente são alternadas em português e inglês. Os alunos possuem uma professora brasileira e outra estrangeira de país de língua nativa inglesa ou com formação comprovada em país de língua inglesa. “Ao longo dos dias os alunos realizam as rotinas ora com comandos em português, ora em inglês”, explica.

Na modalidade Semi, os alunos do infantil também têm uma manhã ou tarde toda ministrada em inglês e, no 1º ano do ensino fundamental, fazem três aulas de inglês durante a semana.

Chegando ao ensino fundamental I, segundo o coordenador de Línguas Estrangeiras e de Middle e High School, Cristiano Carvalho, o estudo do inglês tem continuidade, com cinco aulas semanais no Integral e três no Semi. Já no ensino fundamental II, que tem início no 6º ano, além de quatro aulas semanais de inglês para o Integral e três para o Semi, é oferecida a mesma carga horária também de espanhol.

O investimento em língua estrangeira amplia o universo de conhecimento dos estudantes. Foto registrada antes da pandemia
O investimento em língua estrangeira amplia o universo de conhecimento dos estudantes. Foto registrada antes da pandemia. Crédito: Leonardo da Vinci/Divulgação

Para os alunos do Integral, há ainda a possibilidade de escolha de uma terceira língua estrangeira: alemão, francês e italiano. Além disso, nos 7º e 8º anos, os alunos são divididos em turmas Básico e Avançado com o objetivo de trabalhar o mais próximo possível da zona de desenvolvimento do aluno. No ensino médio, somente oferecido em formato Integral no Da Vinci, as três línguas permanecem no currículo e são aprofundadas.

Todo esse investimento em línguas estrangeiras, de acordo com Cristiano, amplia o universo de conhecimento dos estudantes. “Os alunos egressos possuem domínio para atuarem tanto no Brasil com diferenciais, quanto no exterior, sem ter qualquer impedimento de fluência na língua local”, comenta.

Middle e High School

Outra iniciativa do Centro Educacional Leonardo Da Vinci que apoia o aprofundamento no estudo das línguas estrangeiras, e ainda garante ao aluno certificados em módulos do ensino fundamental e diplomas brasileiro e americano do ensino médio, é a oferta dos programas Middle School, para alunos do 6º ao 8º ano do ensino fundamental, e High School, do 9º ano do ensino fundamental à 3ª série do ensino médio.

O aprendizado da língua inglesa, em ambiente contextualizado e o mais próximo do real, estabelece relações entre culturas escolarizadas e dinâmicas sociais. Foto registrada antes da pandemia
O aprendizado da língua inglesa, em ambiente contextualizado e o mais próximo do real, estabelece relações entre culturas escolarizadas e dinâmicas sociais. Foto registrada antes da pandemia. Crédito: Leonardo da Vinci/Divulgação

Em parceria com a University of Missouri e contando com professores estrangeiros, os programas também são oportunidades para desenvolver o pensamento crítico, as habilidades de trabalho em equipe e a comunicação de ideias e propostas em inglês.

De acordo com Cristiano, o aprendizado da língua inglesa, em ambiente contextualizado e o mais próximo do real, estabelece relações entre culturas escolarizadas e dinâmicas sociais, além de oferecer a possibilidade do reconhecimento entre as dimensões do multiculturalismo.

Cristiano Carvalho

coordenador de Línguas Estrangeiras e de Middle e High School

"Toda a proposta pedagógica da escola estimula os estudantes a vencerem qualquer barreira de linguagem. Além do programa bilíngue, do Middle School e da High School, oferecemos preparação para o SAT (Scholastic Assessment Test), orientação de carreira, cursos de verão no exterior como o Summer Camp (realizados em parcerias com universidades americanas e a Unesco), viagens acadêmicas para fora do Brasil, aulas específicas no Ensino Médio para provas de universidades estrangeiras, e consultoria especializada para orientar os melhores caminhos para alunos interessados em estudar no exterior"

Foi o que aconteceu com o ex-aluno Pedro Duarte Moreira, de 19 anos, que, após cursar da educação infantil ao ensino médio no Da Vinci, em 2019 foi aprovado na Universidade Harvard, dos Estados Unidos. “No High School foi que eu treinei e me acostumei com a escrita acadêmica americana. A gente precisa desenvolver muitas redações e a forma de produção dos textos argumentativos lá é diferente da do Brasil. Então, o programa foi bom para me dar mais desenvoltura e experiência em escrever em inglês. Além disso, algumas matérias que não temos no currículo brasileiro são muito interessantes, como Economia e Discurso”, conta Pedro.

Os alunos do Leonardo da Vinci contam com consultoria especializada para orientar os melhores caminhos para os interessados em estudar no exterior. Foto registrada antes da pandemia
Os alunos do Leonardo da Vinci contam com consultoria especializada para orientar os melhores caminhos para os interessados em estudar no exterior. Foto registrada antes da pandemia. Crédito: Leonardo da Vinci/Divulgação

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.