ASSINE

No Carnaval, a melhor fantasia é a do motorista da rodada

O álcool no sangue afeta o nível de atenção e reduz os reflexos ao volante

Publicado em 18/02/2020 às 14h54
Atualizado em 18/02/2020 às 14h54
Na hora de sair com a turma, eleja sempre o motorista da rodada. Crédito: Freepik
Na hora de sair com a turma, eleja sempre o motorista da rodada. Crédito: Freepik

Carnaval é época de se divertir, estar com os amigos, brincar nos blocos. Mas a responsabilidade de cada um não deve ficar de fora. Afinal, bebida e direção não se misturam. Portanto, na hora de sair com a turma, eleja sempre o motorista da rodada ou planeje voltar com um serviço de táxi ou aplicativo.

Ao escolher o amigo que irá dirigir, os demais devem respeitar essa posição e não tentar oferecer “apenas um copinho”, pois a menor das doses pode afetar a pessoa. “Não existe quantidade segura de beber e dirigir. Por isso que na nossa legislação o índice de tolerância de álcool no sangue é zero. O risco que se assume não é apenas do motorista, mas para todo mundo que está usando a via”, observa o diretor técnico do Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES), George Alves.

O álcool no sangue afeta o nível de atenção e reduz os reflexos ao volante. Afinal, dirigir é um conjunto de ações autônomas, onde o motorista realiza essas ações involuntariamente. Ao tomar as primeiras doses de uma bebida, o motorista já tem dificuldade em realizar esses movimentos, reduzindo seu tempo de resposta, que pode resultar em um acidente.

Givaldo Vieira

Diretor-geral do Detran|ES

"Os acidentes causados por embriaguez ao volante são muito graves, porque o álcool, já nas primeiras doses, provoca excitação e desinibição, ou seja, corta o impedimento moral que o motorista teria de dirigir em alta velocidade, por exemplo"
Detran afirma que oferecer
Detran afirma que oferecer "apenas um copinho" ao motorista da rodada já pode afetar a pessoa. Crédito: Pixabay

No Brasil, cerca de 18% dos acidentes de trânsito têm envolvimento com álcool na direção. Esse valor está acima do índice mundial, que fica em torno de 15%. E as principais vítimas são homens jovens. “Por isso, o Detran|ES tem buscado fazer uma mudança cultural no comportamento dos capixabas, para evitar acidentes envolvendo álcool e direção”, observa Vieira.

O Detran|ES atuará durante todo o período do Carnaval, com campanhas educativas para estimular mudanças de hábitos e também com intervenções em pontos de grande circulação e concentração de pessoas, nas imediações dos blocos, por exemplo. “O foco são as ações educativas, mas a campanha, sem fiscalização, tem um resultado pequeno. As duas precisam ser associadas para que se tenha uma efetividade melhor”, avalia Vieira.

George Alves

Diretor técnico do Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES)

"Não dirigir quando beber é um compromisso com todo mundo. E mesmo no dia seguinte, se você não estiver se sentindo bem, não dirija, pois o álcool ainda pode estar agindo no seu organismo. Prefira um táxi, carona, ônibus. O Carnaval é época de folia, de festa, mas não precisa ser o nosso último momento"
Diretor técnico do Detran|ES, George Alves, alerta que não existe quantidade segura para beber e dirigir. Crédito: Detran/ES
Diretor técnico do Detran|ES, George Alves, alerta que não existe quantidade segura para beber e dirigir. Crédito: Detran/ES

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.