ASSINE

Bebida e direção: Detran recomenda transporte compartilhado no Carnaval

Táxi, carros por aplicativo e transporte coletivo são algumas alternativas para evitar que pessoas alcoolizadas assumam a condução de veículos

Publicado em 18/02/2020 às 14h45
Atualizado em 18/02/2020 às 14h45
Motorista consome cerveja e dirige carro. Crédito: Creative Commons
Motorista consome cerveja e dirige carro. Crédito: Creative Commons

A mistura entre álcool e direção, que é proibida, é um problema sério para a sociedade, que se agrava em períodos de férias, feriados, datas comemorativas como no Carnaval, quando o consumo de bebidas é intenso. Por meio do programa integrado Força pela Vida, o Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran-ES) tem intensificado a fiscalização na Grande Vitória e no interior para garantir a segurança e proteger vidas, principalmente em período de festas, como o carnaval.

Para evitar que bebida e direção acabem com a folia, o diretor-geral do Detran-ES, Givaldo Vieira, recomenda o uso do transporte compartilhado com os amigos, como táxi e carros de aplicativo, ou o transporte coletivo. Já quem preferir curtir o Carnaval indo no próprio veículo, o ideal é eleger o “motorista da rodada”.

Givaldo Vieira

Diretor-geral do Detran-ES

"No Carnaval, as pessoas costumam se deslocar em grupos de amigos, casais. Compartilhar o transporte sai mais barato e garante a segurança do folião. Agora, se for de interesse usar o próprio veículo, nossa sugestão é eleger um motorista da rodada, ter alguém como motorista do grupo que não irá beber e, com isso, evitar que a festa termine em desastre"
Givaldo Vieira, diretor geral do Detran, alerta sobre a importância da tolerância zero. Crédito: Ademir Ribeiro
Givaldo Vieira, diretor geral do Detran, alerta sobre a importância da tolerância zero. Crédito: Ademir Ribeiro

Fiscalização

A ação de fiscalização será integrada com as polícias Militar, Civil, Rodoviária Federal e Guardas Municipais, que trabalharão com etilômetros (bafômetros) para flagrar motoristas e motociclistas que insistirem em beber e conduzir veículos.

Wylis Lyra

Gerente de Fiscalização do Detran-ES

"O Carnaval é uma festa que tem por característica o consumo elevado de bebidas alcóolicas e por ter um número maior de dias em que ocorrem muitos deslocamentos maiores que impactam diretamente o trânsito. Infelizmente, muitos condutores ainda insistem em dirigir sem terem condições para isso"

Neste fim de semana, a fiscalização priorizará locais de maior aglomeração de pessoas, como os balneários de Norte a Sul do Espírito Santo.

Desculpas variadas

Quem for flagrado alcoolizado na condução de veículo pode ser multado em R$ 2.934,70 e ter sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) recolhida, e ainda será aberto um processo de suspensão do direito de dirigir. O carro ou moto também pode ser apreendido, caso um condutor habilitado não se apresente para levá-lo. Em caso de reincidência, o valor da multa dobra.

E é justamente no momento do flagrante que surgem as desculpas mais variadas para justificar esse tipo de atitude no trânsito, conforme destaca Wylis Lyra: “Alguns alegam que beberam apenas uma lata de cerveja ou dizem que beberam álcool com algum medicamento. É importante ter consciência de que qualquer quantidade de álcool afeta os reflexos do condutor.”

Givaldo Vieira destaca por que o Detran-ES reitera a tolerância zero neste tipo de infração. “Uma pequena quantidade de álcool provoca excitação, estimula comportamentos que culminam no excesso de velocidade e manobras arriscadas. Boa parte do ato de conduzir é feito por ações autônomas do nosso corpo e elas necessitam de atenção ao máximo. O álcool interfere nessas ações”, frisa.

Bebida e chave de carro não combinam. Crédito: Creative Commons
Bebida e chave de carro não combinam. Crédito: Creative Commons

O que diz a lei

  1. 01

    Art. 165. Dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência: Infração - gravíssima;

    Penalidade - multa (dez vezes) e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses. Medida administrativa - recolhimento do documento de habilitação e retenção do veículo, observado o disposto no parágrafo 4º do art. 270 da Lei 9.503, de 23 de setembro de 1997 - do Código de Trânsito Brasileiro. Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no caput em caso de reincidência no período de até 12 (doze) meses.

  2. 02

    Art. 165-A. Recusar-se a ser submetido a teste, exame clínico, perícia ou outro procedimento que permita certificar influência de álcool ou outra substância psicoativa, na forma estabelecida pelo art. 277: Infração - gravíssima;

    Penalidade - multa (dez vezes) e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses; Medida administrativa - recolhimento do documento de habilitação e retenção do veículo, observado o disposto no parágrafo 4º do art. 270. Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no caput em caso de reincidência no período de até 12 (doze) meses.

Fonte: Código de Trânsito Brasileiro (CTB)

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.