ASSINE

Pandemia acelerou tomadas de decisões e criou novas formas de venda e consumo

Para superar a crise causada pela Covid-19, empresários precisaram ser ágeis mesmo em meio às incertezas do dia seguinte

Publicado em 20/07/2021 às 15h09
Gustavo Coelho sócio diretor da agência Conteúdo
Gustavo Coelho sócio diretor da agência Conteúdo. Crédito: Gustavo Coelho

Empresários de várias partes do mundo precisaram travar uma verdadeira guerra contra a Covid-19 para sobreviver e superar as dificuldades impostas pelo novo vírus. Com um cenário inédito e sem roteiro prévio, cada um buscou uma solução para garantir o seu lugar na mente do consumidor que também procurava formas de atravessar toda a tempestade provocada pelo novo coronavírus.

Para o publicitário Gustavo Coelho, a pandemia acelerou as tomadas de decisões por parte dos empresários. Algumas mudanças foram até de grandes proporções causando um impacto significativo no andamento das empresas. Tudo isso, mesmo sem saber o que aconteceria na semana seguinte. Foi necessário inovar e se adaptar.

“A pandemia criou um cenário de mudanças extremas de forma repentina. As mudanças, além de grandes, também apontavam para um cenário desconhecido. Creio que nesse período, o mais difícil foi criar soluções em um curto espaço de tempo em meio a escuridão do dia seguinte. Nosso maior desafio foi apresentar atitudes e novas idéias que determinariam como a marca se comportaria em meio a incerteza, e sem saber exatamente como os clientes reagiriam à elas”, disse Gustavo.

O caminho encontrado por muitos empresários que queriam driblar a crise e permanecer na memória do seu cliente foi de tentar a aproximação com o consumidor de modo virtual, criando alternativas de relacionamento, já que o atendimento convencional, dentro dos estabelecimentos, estava comprometido. Toda essa migração para a internet exigiu que empresas se adaptassem e priorizassem a sua digitalização.

O publicitário explica que entre todas as mudanças impostas pela pandemia, como o distanciamento e a necessidade de se manter mais em casa, a nova forma de consumir produtos e serviços é uma das que, provavelmente, deve permanecer mesmo após o controle da pandemia. Isso porque, segundo ele, marcas que antes tinham receio do mundo digital, hoje, apóiam suas vendas dentro das plataformas digitais disponíveis e já colhem os resultados, como permanecer na lembrança do consumidor que é bombardeado com milhares de opções diariamente.

“A necessidade do momento acelerou a tomada de decisões, que antes poderiam levar um tempo muito maior para acontecer. Maior presença digital e novos mecanismos de atendimento e venda, sem dúvida, vieram para ficar. Um exemplo disso são as vendas por meio de lives interativas, um consumo que já se mostrou sucesso e que com certeza se manterá. A digitalização das empresas impulsionada pelos novos hábitos de consumo gerados pela pandemia certamente permanecerão em nossa rotina”, explicou Gustavo.

Um dos fatores que sempre foi importante, e que tem sido tratado como essencial neste período, é a criatividade para inovar e se adaptar. O ato de transformar idéias novas e originais em realidade foi o que fez muitos negócios se manterem firmes e até mesmo a encontrar novas alternativas de renda. A dica de Gustavo, é que todos os empresários tenham o hábito de observar os detalhes para alcançar um maior potencial criativo e enxergar novas idéias. Ele garante que é preciso se manter observador e estar atento a novos modos de surpreender o público.

“Antes de empurrar uma venda, busque ser útil e empático com o seu público. Só assim você conseguirá construir a relevância necessária para atrair e fidelizar clientes. Entender este novo comportamento de consumo investindo na diferenciação e na utilização de novas ferramentas disponíveis, também são boas estratégias. Inovar é sempre uma boa ideia”, afirmou o publicitário.

Apesar de todos os desafios ainda enfrentados na economia, Gustavo acredita que todas as mudanças realizadas pelos empresários com o intuito de superar e oferecer novidades aos consumidores trarão bons resultados para os próximos anos, inclusive em garantir a fidelização do cliente.

“Depois de testar tão arduamente a nossa cultura e provar uma capacidade de reinvenção nunca antes vista, acredito que teremos pela frente um ano de boas colheitas em torno do que plantamos em 2020. Momentos de crises podem ser superados com diferenciais competitivos e um propósito bem definido da marca. Acreditar no que se investe e fidelizar o cliente fazem toda diferença para continuar existindo no mercado”, finalizou Gustavo.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Gazeta Empresarial Cachoeiro

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.