ASSINE

'Menina será princesa e menino, príncipe', diz ministra Damares Alves

Damares Alves faz alerta contra a chamada 'doutrinação ideológica' e afirma que políticas públicas serão focadas na vida 'desde sua concepção', reforçando posição contra o aborto

Publicado em 02/01/2019 às 19h46
Damares Alves discursando durante a solenidade de sua apresentação como nova ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos. Crédito: Wilson Dias | Agência Brasil
Damares Alves discursando durante a solenidade de sua apresentação como nova ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos. Crédito: Wilson Dias | Agência Brasil

A nova ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, disse nesta quarta-feira (2), em cerimônia que marcou o início de sua gestão, que no novo governo "menina será princesa e menino, príncipe", num aviso contra o que chamou de “doutrinação ideológica”. Ela também afirmou que sua pasta focará suas políticas públicas na vida “desde sua concepção”, reforçando sua posição contra o aborto.

"Neste governo, menina será princesa e menino será príncipe. Ninguém vai nos impedir de chamar as meninas de princesa e os meninos de príncipe. Vamos acabar com o abuso da doutrinação ideológica", afirmou.

Ela também fez um alerta aos pedófilos e contra o turismo sexual, pontuando que agora se inicia uma nova era. "Atenção pedófilos de plantão: a brincadeira acabou, Bolsonaro é presidente".

Num discurso longo, de cerca de 45 minutos, Damares, que é pastora evangélica, começou dizendo estar ciente de que o Estado é laico, mas lembrou que é “terrivelmente cristã”: "O estado é laico, mas essa ministra é terrivelmente cristã. Acredito nos desígnios de Deus", disse.

Damares apresentou sua equipe, que contará com oito secretarias, quatro delas comandadas por mulheres. Uma das secretárias será a indígena Sandra Terena, da etnia Terena. Ela sentou-se à mesa vestindo cocar, e ficará responsável pela Secretaria da Igualdade Racial. Outra secretária é surda, e ficará responsável pela Secretaria Nacional da Pessoa com Deficiência.

A nova ministra lembrou que seu núcleo familiar se restringe a ela e sua filha adotiva indígena, e garantiu que toda forma de família será respeitada. Segundo a ministra, todas as políticas do presidente Bolsonaro terão como foco o fortalecimento do núcleo familiar.

A Gazeta integra o

Saiba mais
brasil mulher brasil

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.