ASSINE

Laudo aponta que adolescente morreu de overdose em rave em Vila Velha

Adrielly Duarte de Oliveira, de 16 anos, passou mal durante a festa no dia 23 de abril e foi socorrida, mas não resistiu; perícia apontou uso de entorpecentes como causa do óbito

Tempo de leitura: 2min
Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 22/06/2022 às 16h06
Rave
Adrielly Duarte de Oliveira, de 16 anos, morreu após passar mal em uma festa rave e ter uma overdose em Vila Velha. Crédito: Arquivo pessoal

Após praticamente dois meses, a perícia da Polícia Civil confirmou que a adolescente Adrielly Duarte de Oliveira, de 16 anos, morreu em decorrência de uma overdose por uso de entorpecentes — a jovem mineira passou mal durante uma festa rave realizada em Vila Velha, no dia 23 de abril. Ela foi socorrida no local, depois transferida para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Riviera da Barra, e, posteriormente, levada ao Hospital Estadual Antônio Bezerra de Faria, onde morreu horas depois.

No laudo entregue à família, consta que a causa do óbito da adolescente foi "hipóxia (pouca chegada de oxigênio às células e tecidos) devido à insuficiência hepática aguda após uso de entorpecentes".

Consultado pela reportagem, o médico Lucas Acerbi explicou que, no caso de Adrielly, a hipóxia ocorreu pela falta de oxigênio na corrente sanguínea, que ocasionou a falência do fígado, e, consequentemente, levou a jovem à morte.

Quando deu entrada no posto médico da rave, Adrielly apresentava sudorese (suor contínuo decorrente da alta temperatura corporal), fadiga respiratória e dessaturação 92% (baixa presença de oxigênio no sangue). Consta ainda que a adolescente chegou acordada ao local, apresentando quadro responsivo, abertura ocular espontânea e com baixa de inconsciência.

REPERCUSSÃO

Na época, a morte da jovem repercutiu nas redes sociais, especialmente entre outras pessoas que foram à festa. A família da jovem também recebeu a informação de que Adrielly havia utilizado ecstasy e outras drogas sintéticas.

Rave
Nas redes sociais, a morte de Adrielly foi muito comentada por outras pessoas que foram ao festival. Crédito: Reprodução/Twitter

SEM A MÃE SABER

Em entrevista à reportagem de A Gazeta quatro dias após o ocorrido, a mãe da jovem, Maria Rosemere Duarte, contou que a filha foi à festa sem o consentimento dela. Ela disse ainda que Adrielly morava em Governador Valadares, em Minas Gerais, mas estava provisoriamente em Cariacica na casa de uma irmã.

"Quando fui liberar o corpo dela, me disseram que encontraram um monte de droga nela. Não sei de nada dessas coisas, mas me contaram que havia sinais de ectasy e de um 'quadradinho' (LSD - Dietilamida do Ácido Lisérgico). Não sei como ela usou isso, deram essas coisas para ela lá. Mataram minha filha", disse a mãe.

Demandada, a Polícia Civil não detalhou quais drogas foram encontradas e apontadas no laudo pericial. A justificativa da PC é de que o caso segue em investigação e outras informações não podem ser divulgadas no momento.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.