ASSINE

Ladrão é espancado após roubar dinheiro de ônibus em Vitória

Ele ameaçou o motorista com uma faca mas, após descer do ônibus, acabou agredido por moradores

Publicado em 23/06/2019 às 12h58

Um assaltante foi espancado depois depois de roubar o caixa de um coletivo, na noite de sábado, em Mário Cypreste, Vitória.

O ônibus da linha 202 (Caratoíra X Curva da Jurema) seguia pela Vila Rubim quando uma pessoa deu sinal no ponto. “Era a terceira viagem do dia. A gente não escolhe quem vai levar, não tem como saber. Ele entrou e ficou na parte da frente do coletivo”, contou o motorista.

Somente o motorista, que também cobra as passagens, era quem estava no ônibus. “Ele disse ‘você vai me ajudar’. Eu fiquei na minha pois eu não entendi o que ele quis dizer. Segui a viagem. No caminho, ele disse que queria R$ 50. Eu achei que fosse trocar ou pagar a passagem com R$ 50. Foi aí que ele tirou uma faca da mochila e colocou na minha costela”, contou o motorista.

Na gaveta só havia moeda, cerca de R$ 100, que foram roubadas pelo suspeito. Ele também tomou R$ 20 que estavam no bolso do motorista. Os valores foram colocados dentro da mochila que o criminoso carregava. “Eu pedi calma pra ele, pois tive medo que me furasse com a faca. Já no bairro Mário Cypreste, ele mandou eu parar e abrir a porta”, lembrou a vítima.

O suspeito desceu do coletivo dando um pulo e chegou a cair pois se desequilibrou. O motorista, então, deu a volta na rua com o coletivo e surpreendeu o suspeito em outra rua.

“Eu desci do ônibus e gritei ‘ladrão, ladrão’. Muita gente se juntou e bateu nele. A mochila se perdeu e só pararam de bater quando uma ambulância que passava pelo local parou para prestar socorro”, disse o motorista.

Um dos populares chegou a ser ferido pelo suspeito que estava com a faca nas mãos.

A Polícia Militar foi acionada e fez a escolta do ladrão até o Hospital São Lucas, onde ele continuava internado até a manhã de ontem. O detido foi identificado como sendo José Carlos Jacob Liker.

Para o motorista, fica a sensação de insegurança. “Este não é o primeiro assalto que vivo em 8 anos como motorista. Trabalhar tem se tornado cada vez mais perigoso”, desabafou o motorista.

assalto ônibus vitória

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.