> >
Vitória e Vila Velha terão serviço de embarcação turística

Vitória e Vila Velha terão serviço de embarcação turística

Por enquanto, as rotas previstas são da Praça do Papa, em Vitória, à Prainha, em Vila Velha; e do Museu da Vale, em Vila Velha, ao Cais dos Catraieiros, em Vitória

Publicado em 1 de março de 2018 às 00:42

Ícone - Tempo de Leitura 0min de leitura
Ecobalsa atracada na Ilha da Fumaça, em Vitória . (Fernando Madeira)

Vitória e Vila Velha terão serviço de embarcação turística entre as duas cidades, com previsão de trajetos de quatro a seis minutos. A incógnita é quando esse serviço será de fato implantado.

Por enquanto, as rotas previstas são da Praça do Papa, em Vitória, à Prainha, em Vila Velha; e do Museu da Vale, em Vila Velha, ao Cais dos Catraieiros, em Vitória.

A previsão é de que sejam feitas seis viagens por hora, das 6 às 22 horas, ou conforme a demanda.

A forma de pagamento será semelhante ao do Bike Vitória, em que é feito um cadastro e pagamento por um aplicativo. Ele já está disponível com o nome Ecobalsas ES. Os preços são de R$ 30 para o passe mensal e R$ 5, o diário.

As embarcações serão do tipo trimarã, de três cascos, e terão 14 metros de comprimento. A capacidade é de 100 passageiros e 40 bicicletas.

O serviço é um convênio da Ecobalsas, que já funciona no Rio de Janeiro, com as prefeituras de Vitória e Vila Velha. Com os municípios, ficará a responsabilidade de construir a estrutura de embarque e desembarque na região da Prainha e na Praça da Papa. O Museu da Vale e o Cais já possuem estrutura.

DATA

O prefeito de Vitória, Luciano Rezende informou que por enquanto não é possível determinar uma data para início do transporte. “Esse é um processo que estamos construindo com uma série de variáveis que a gente não controla”, disse.

“Temos pontos que estão sendo restaurados para fazer a linha Vitória-Vitória. Então assim que nós pudermos, vamos dar a data de operações”, completou o prefeito.

Luciano Rezende exemplificou que os atracadores estão em condições diferentes de uso. “Algumas obras são mais vultosas, que dependem de licitações, e outras são mais simples, que nossa Central de Serviços pode resolver.”

A capacidade é de 100 passageiros e 40 bicicletas. (Fernando Madeira)

Os pontos devem começar a operar assim que ficarem prontos. “Assim que dois ou três pontos estejam prontos, nós vamos começar”, afirmou Rezende.

O prefeito diz que, por enquanto, o transporte aquaviário é apenas turístico pois, por conta de uma legislação federal, o serviço regular de transporte em alcance metropolitano não pode ser regulamentado pelo município. Teria que ser defino na esfera estadual ou federal.

Este vídeo pode te interessar

“Depois que esse sistema começar a funcionar, cria-se uma nova realidade, que pode fazer com que o sistema (aquaviário) todo retorne. A travessia entre os dois municípios em alguns horários leva 1h40. Pela baía, de três a quatro minutos”, afirmou o prefeito.

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

A Gazeta integra o

The Trust Project
Saiba mais