Que fim levou a cédula de R$ 10 feita de plástico?

Criadas para comemorar os 500 anos do descobrimento do Brasil, a cédula hoje pode valer até 13 vezes mais

Publicado em 29/08/2017 às 16h30
Atualizado em 06/01/2021 às 16h10
Frente da cédula de R$ 10 de plástico. Crédito: Divulgação | Banco Central
Frente da cédula de R$ 10 de plástico. Crédito: Divulgação | Banco Central

As cédulas de Real sofreram muitas mudanças ao longo dos mais de 20 anos de existência. A mais dramática delas foi, sem dúvidas, a cédula de R$ 10 que, diferente das demais, era feita de plástico. O primeiro lote, com 250 milhões delas, foi impresso no ano 2000. Mas onde será que elas foram parar?

As cédulas de R$ 10 de plástico foram lançadas no dia 24 de abril do ano 2000 em comemoração aos 500 anos do descobrimento do Brasil. Ela foi desenhada para ter diversas referências à data comemorativa como uma imagem de Pedro Álvares Cabral, o mapa "Terra Brasilis", uma das primeiras representações da nova terra; um trecho da carta de Pero Vaz de Caminha; e uma rosa dos ventos, instrumento de navegação extraído da cartografia portuguesa do século XVI.

Todas essas gravuras ainda dividem espaço com as 12 marcas de segurança. Na verdade, foi a promessa de uma nota mais segura e durável que fez com que o Banco Central optasse pela versão de plástico, fabricada por uma empresa australiana. No entanto, o Banco Central começou a tirar de circulação as cédulas de polímero em 2006. Segundo o órgão, a retirada já era programada, visto que se tratava de uma edição comemorativa. 

Mesmo que não tenha mais sido fabricada, as que não chegaram até o Banco Central continuam por aí. De acordo com o órgão, ainda há 3.577.976 delas em circulação atualmente no Brasil. O número é bem menor do que as notas de R$ 1, que também pararam de ser fabricadas mas ainda restam 148.839.251 unidades no mercado.

Mais de dez anos depois, as notas de R$ 10 de polímero hoje valem muito mais do que o valor estampado nelas. Para colecionadores, uma cédula dessas pode custar até R$ 135 reais, dependendo do estado de conservação.

Verso da cédula de R$ 10 de plástico. Crédito: Divulgação | Banco Central
Verso da cédula de R$ 10 de plástico. Crédito: Divulgação | Banco Central

PARTICIPE!

Você se lembra de alguma notícia veiculada no passado aqui no Gazeta Online e gostaria de saber 'que fim levou'? Envie sua sugestão para [email protected]

dinheiro

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.