ASSINE
O Movimento Mães que Oram nasceu no ES e se espalhou pelo mundo
O Movimento Mães que Oram nasceu no ES e se espalhou pelo mundo. Crédito: Marcelo Franco | Arte A Gazeta

Mães que oram: histórias de fé do movimento do ES que reúne multidões

O grupo que começou com cinco mulheres em Vitória se espalhou pelo Brasil e exterior. Com tantas notícias pesadas e um clima de medo que nos ronda, o #Gazeta Entrevista conta a história do movimento que transforma a vida de muitas famílias

Publicado em 08/04/2020 às 10h37

“Deus escolhe os pequenos para fazer grandes obras”. Com esta frase, a fundadora do Mães que Oram pelos Filhos, Angela Abdo, resume a escolha do Estado do Espírito Santo para o início do movimento que reúne fielmente mais de 62 mil mulheres, a cada semana, pelo mundo.

A iniciativa, que começou com cinco mulheres em Vitória, hoje tem mais de 2 mil grupos registrados no Brasil e 30 no exterior: Alemanha, EUA, Japão, Hong Kong, Dubai, Argentina e Cuba estão nessa lista. Segundo a fundadora, o número de pessoas envolvidas chega a 200 mil, contando com os eventos realizados ao longo do ano e com os participantes que não vão todas as semanas.

Angela é uma mulher com carreira consolidada, que trabalhava 18 horas por dia, dava aulas em cinco faculdades e prestava consultoria para grandes empresas do Estado e viu a vida a ser transformada após a publicação do livro “Mães que Oram pelos Filhos”, em 2013.

Antes de a Organização Mundial de Saúde declarar que o mundo vivia uma pandemia por conta do novo coronavírus, a reportagem foi à casa dela, na Capital, para uma conversa do projeto #Gazeta Entrevista.

Este vídeo pode te interessar

Graduada em Serviço Social, Angela já foi presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) e diretora do Vitória Apart Hospital. Casada há 45 anos, mãe de dois filhos e avó de cinco netos, na conversa (veja no vídeo acima), ela revela como a sua visão do que é ser mãe mudou após participar do grupo.

Ao longo desses anos, muitas foram as histórias de fé e de milagres presenciadas pela coordenadora. Entre elas, a de um menino de 2 anos que nunca havia saído do hospital e precisava de um rim, a reconciliação de casais e outras conquistas (assista no vídeo).

MORTE DA MÉDICA JAQUELINE

Os fatos marcantes, como a morte da médica Jaqueline Colodetti, que desapareceu em abril de 2018, na Região Serrana do Espírito Santo, e participava do movimento, também fazem parte da entrevista. No dia em que o corpo foi encontrado, milhares de mães estavam reunidas em oração na Canção Nova, em São Paulo.

Veja também os depoimentos de mulheres que tiveram as vidas mudadas após conhecerem o Mães que Oram e se aproximarem mais de Deus.

QUANDO COMEÇOU

Antes de o livro ser lançado, em 2013, e o movimento se espalhar pelo Brasil, em 2011, cinco mulheres se reuniram na paróquia São Camilo de Léllis, na Mata da Praia, em Vitória. Foi ali que tudo começou.

Angela Abdo

Fundadora e coordenadora do movimento

"Há nove anos, a minha filha me procura após ler um livro: 'Toda filho precisa de uma mãe que ora'. Ela pediu que rezasse eu, ela e a minha nora. Começamos com cinco mães. Ficamos no espaço de três anos em um pequeno grupo. Não passamos de 20. Mas as graças foram muitas. Tivemos a oportunidade de testemunhar o poder de Deus"

Com isso, o grupo chamou a atenção da comunidade Canção Nova, que tem uma editora. “A Canção Nova me convidou para escrever um livro. Na hora pensei: ‘nem pensar’. No fim de semana seguinte, viajo para Manaus e volto com 150 páginas escritas. As meninas (outras mães próximas da Angela) acabaram pegando aquele material bruto e destrinchando. Esse livro hoje é um best-seller”, lembra.

Para Angela, o livro é a semente que Deus usou para espalhar o movimento no mundo todo. “As pessoas já tinham o desejo de rezar pelos seus filhos e se espalhou rapidamente. O lançamento foi em maio de 2014 na Canção Nova e, em setembro, em Vitória. A partir do lançamento do livro, começaram a aparecer grupos em todos os lugares”, afirma.

DIA EM VITÓRIA

Segundo a coordenador, a Prefeitura de Vitória está em processo final de tramitação para que o dia 30 de março, data da primeira reunião do grupo, seja um dia dedicado às mães que oram. “Já passou na Câmara e está esperando a aprovação do prefeito de Vitória”. A intenção é que a data seja um marco no país, com a adesão de outros locais. “O momento em que a Igreja Católica com suas as mães se levanta para restaurar famílias com o poder da oração”.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Prefeitura de Vitória Vitória (ES) Gazeta Entrevista Fique bem espírito santo igreja Arquidiocese de Vitória

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.