ASSINE
Rosana Cabral fala de sua fé por Nossa Senhora da Penha. Na foto, as filhas e o irmão que fez música para Nossa Senhora.
Rosana Cabral fala de sua fé por Nossa Senhora da Penha. Na foto, as filhas e o irmão que fez música para Nossa Senhora. Crédito: Carlos Aberto Silva

"Olhei nos olhos de Nossa Senhora e pedi que eu realizasse o sonho de ser mãe"

Por conta do tratamento de uma doença, Rosana foi diagnosticada como infértil aos 21 anos. Aos 41, conseguiu engravidar graças à intervenção da santa

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 25/04/2022 às 09h52

Em uma festa tão grande como a Festa da Penha, é possível encontrar infinitas histórias de fé. A Virgem das Alegrias, Nossa Senhora da Penha, é mais que uma devoção. Ela é a Mãe dos devotos, que recorrem à sua intercessão em momentos difíceis. Foi o caso da dona de casa, Rosana Cabral, que sempre sonhou em ser mãe.

A dona de casa, que teve endometriose aos 21 anos e por conta do tratamento da doença, em que precisou fazer varias cirurgias e sessões de quimioterapia, foi diagnosticada como infértil.

Endometriose é uma doença inflamatória provocada por células do endométrio (tecido que reveste o útero) que, em vez de serem expelidas durante a menstruação, se movimentam no sentido oposto e caem nos ovários ou na cavidade abdominal, onde voltam a multiplicar-se e a sangrar.

Mesmo com o diagnóstico, Rosana sempre nutriu a esperança de um dia ser mãe. Ainda solteira, adotou a pequena Vitória, uma criança especial. "Hoje ela tem 16 anos, peguei ela em um abrigo, ela foi um presente de Deus”, diz.

A dona de casa conta que os anos passaram, ela se casou e o desejo de gerar uma criança persistia. Sempre pedindo a Deus essa oportunidade. Até que por duas vezes ela chegou a engravidar e nas duas sofreu aborto retido, tudo isso em um espaço de três meses.

“Aborto retido é quando o feto perde seus batimentos cardíacos ainda dentro da barriga da mãe, sem que haja a expulsão do embrião. Tive muitos problemas físicos e psicológicos por conta disso. A vontade de ser mãe esfriou”, conta.

Em 2018, sua mãe, que sempre participa da Festa da Penha, foi à Romaria dos Homens e pediu à Nossa Senhora que intercedesse e que, se fosse da vontade de Jesus, para que realizasse o sonho da filha.

Sem criar expectativas ou ficar ansiosa, Rosana explica que no dia seguinte participou como convidada da corrente de isolamento que protege da imagem de Nossa Senhora da Penha, durante a Romaria das Mulheres.

A procissão saiu do Santuário em Vila Velha até a Prainha, onde aconteceria a missa. Durante todo percurso, a dona de casa conta que sentia como se a santa quisesse que ela pedisse algo, mas continuava de cabeça baixa rezando.

Rosana Cabral

dona de casa

"Foi quando olhei para os olhos dela e pedi: se for da vontade de seu filho, que eu engravide. Mas se for para engravidar, que a senhora me proteja com seu manto e abençoe minha gestação, pois já estou com 41 anos."

Em junho daquele mesmo ano descobriu que estava grávida. Nove meses depois e uma gestação sem nenhum problema, nascia a pequena Maria Isabel. Seu irmão Antônio Marcos fez uma música para agradecer a graça alcançada e celebrar Nossa Senhora, intitulada Mãe da Alegria.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.