ASSINE

Lauana Prado lança álbum e fala de sua bissexualidade: "Me sinto livre"

Em conversa com o "Divirta-se", cantora sertaneja também falou da volta às origens com o álbum "Natural"

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 07/10/2021 às 10h51
Lauana Prado gravou seu novo projeto,
Lauana Prado gravou seu novo projeto, "Natural", em Jalapão, no Tocantins. Crédito: Luciana Bastos

Plena. Talvez essa seja a melhor palavra para definir Lauana Prado, que está lançando seu novo trabalho, "Natural", composto por três álbuns e uma série documental, sendo que o primeiro disco já está disponível nas plataformas digitais.

Mas, voltando ao adjetivo descrito acima, a cantora confirma - em entrevista ao "Divirta-se" - que está vivendo seu melhor momento, dentro e fora da carreira. Primeiro porque resgatou suas origens, gravando o projeto no Parque Estadual do Jalapão, em Tocantins, onde passou a infância e parte da adolescência, e, depois, porque vive uma fase romântica especial ao lado da namorada, a influenciadora e stylist mineira Veronica Schulz, que cuidou do visual de Lauana em "Natural". As duas assumiram a relação em julho do ano passado.

"Assumir a minha bissexualidade faz com que me sinta livre, feliz e em liberdade comigo mesmo. Vivemos (ela e a namorada) uma relação tranquila, de cumplicidade. Fiz a 'Mina de Ouro' (uma faixa do disco que conta com participação de Dennis DJ) em homenagem a Veronica. Ela estava ao meu lado e acompanhando quando escrevi", declara, apaixonada.

O romance vai tão bem que as duas sempre postam cliques românticos nas redes sociais.

"Achei uma mina, que mina de ouro, quando desce me fascina/ Achei meu tesouro dentro daquela menina/ Nenhum desses caras conseguiu chegar onde ela chegou". Se analisarmos a letra de "Mina de Ouro", além da explícita declaração de amor, podemos sentir a força de uma mulher que não tem medo de revelar sua condição sexual.

"Vivo no mundo da música sertaneja, algumas vezes machista e quase sempre dominado por homens. Muitas vezes, nesse universo, a mulher é objetificada. Só por ser mulher, já me sinto em uma situação desconfortável em alguns momentos. Minha condição sexual já foi questionada e hostilizada até pela comunidade LGBTQIAP+. Na verdade, quero fazer uma militância de leve, pois considero fundamental e positivo também falarmos da representatividade bissexual. Não tenho uma restrição dentro da minha sexualidade e me sinto muito bem encaixada nesse lugar".

Lauana Prado

cantora

"Vivo no mundo da música sertaneja, algumas vezes machista e quase sempre dominado por homens. Muitas vezes nesse universo, a mulher é objetificada. Só por ser mulher, já me sinto em uma situação desconfortável em alguns momentos"

AVENTURA

Lauana Prado confessa que gravar "Natural" no Jalapão lhe deu uma reenergizada. "Todo mundo está muito impactado com a pandemia. Estamos sendo obrigados a ressignificar nossa existência. No Tocantins, voltei às origens, foi lá onde descobri a vocação para a música", diz, dando detalhes sobre a saga que viveu ao trabalhar com mais de 80 pessoas na afastada reserva ecológica.

"Construímos tudo do zero, sempre com a preocupação de não afetar a natureza. Os horários das gravações foram os mais loucos possíveis. Começávamos o show às 4h30, 5h e só terminava às 11h. Tudo para pegar o nascer do sol e a beleza natural do lugar", explica, brincando ao falar que algumas pessoas da produção "disseram ter visto onças rondando o palco", para, em seguida, cair em uma gostosa gargalhada.

A música de trabalho do primeiro álbum, "Zap", um forró que fala de um relacionamento frustrado muitas vezes por conta da conexão virtual, atingiu impressionantes 1,4 milhões de acessos no YouTube em apenas cinco dias.

"É uma brincadeira bem humorada sobre uma relação que não deu certo, pois muitas pessoas deixam a vida real de lado, partindo para a virtual. Na pandemia, a gente acabou se conectando ainda mais. Expus um pouco disso, sem a necessidade de cair na sofrência", explica.

Ao todo, "Natural" contará com 17 faixas, sendo que sete foram lançadas. Além disso, o projeto conta  com um documentário contendo seis episódios, que será disponibilizado nas plataformas de streaming ainda em uma data a ser definida. 

"Vai mostrar todo o nosso processo criativo, seja na concepção do disco, como também na construção da estrutura gigantesca que montamos no Jalapão. Os fãs vão adorar, pois revelará muita coisa dos bastidores e da intimidade do camarim. Vai ser uma delícia", complementa, sempre bem humorada.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Cultura Música Famosos Sertanejo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.