ASSINE

Paulo Gustavo: produtores falam da última peça realizada no ES

Bruna Dornelas e Wesley Telles foram os responsáveis pelas duas últimas edições de "Minha Mãe é uma Peça" em Vitória

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 04/05/2021 às 23h44
Wesley Telles e Bruna Dornelas ao lado de Paulo Gustavo nos bastidores de Minha Mãe é um Peça, em 2019, na Arena Vitória
Wesley Telles e Bruna Dornelas ao lado de Paulo Gustavo nos bastidores de Minha Mãe é um Peça, em 2019, na Arena Vitória. Crédito: Leo Gurgel/Arquivo Pessoal

"O último show dele aqui no Estado foi incrível. Ele era apaixonado por Vitória, sempre ficava no mesmo hotel, no mesmo quarto", conta Bruna Dornelas, contendo as lágrimas ao saber da morte do ator Paulo Gustavo. O humorista morreu nesta terça-feira (4) por complicações da Covid-19 após ficar quase dois meses internado em hospital do Rio de Janeiro.

A produtora, junto com o sócio Wesley Telles, foram os responsáveis por trazer as duas últimas temporadas de "Minha Mãe é Uma Peça" ao Espírito Santo, em setembro de 2017 e fevereiro de 2019. Com sessões esgotadas na extinta Arena Vitória (antigo Ginásio do Álvares Cabral), a peça repercutiu não só no palco como fora dele.

"Acho que o Brasil inteiro está muito triste. Foi um privilégio imenso trabalhar com o Paulo. Ele era um artista ímpar, como poucos vistos no país e até no mundo. Ele tinha um alcance enorme, agradava a todos, toda classe social, de todas idades, gêneros... tivemos a chance de trabalhar com ele duas vezes, ele sempre recebeu todos com muito amor. Um excelente artista! A cultura brasileira perde muito", descreve a produtora ao falar do humorista.

Wesley fala do sonho realizado ao conseguir produzir um espetáculo tão grandioso. "O sonho de qualquer produtor teatral é sempre trabalhar com grandes artistas do seu país. Ter trabalhado com o Paulo, para nós da WB, foi a realização de um sonho. Faz parte da nossa história. Está entre os eventos de maior público e estrutura que fizemos", comenta Wesley.

"Fizemos questão de personalizar o camarim dele com muito amor e carinho pra receber esse artista maravilhoso", detalha Bruna.

A dupla fala bastante do lado humano do ator, ao mesmo tempo em que era exigente com a produção. "O Paulo sempre foi um artista incrível. Muito exigente, mas ao mesmo tempo muito simples de lidar. O que ele sempre quis foi oferecer entretenimento e qualidade para o público. Perder um artista como o Paulo é algo que não tem explicação. Ele é um artista que alcança milhares de pessoas, não só na TV, na internet, no cinema e no teatro também", relata o produtor.

"Fizemos 'Minha Mãe é Uma Peça', em 2017 e  2019, e íamos trazer o show dele com a mãe no final de 2019. Mas infelizmente o Arena Vitória, que era o lugar que comportava o show dele, virou uma escola e nós ficamos sem um local adequado para fazer", explica Bruna.

Uma coisa que a dupla lembra bem foi os aplausos e sorrisos arrancados da plateia lotada e da experiência de ter trabalhado com o artista. "Agradeço a oportunidade de ter trabalhado com ele, de ter tido experiências incríveis. Ver a reação do público, a alegria das pessoas, que saíram contagiadas. Ele sempre foi humano, gostava de olhar no olho das pessoas, sentir elas. Ele sempre foi preocupado com o público", finaliza Wesley.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.