ASSINE

Em formato virtual, Festival Velas do Piraquê-Açu exibe 32 curtas e shows

Evento, que acontece dias 26 e 27 de março, contará com sessões de cinema, palestras, shows, recital de poesia e desfile de veleiros. A programação, totalmente gratuita, será exibida no YouTube

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 17/03/2021 às 14h23
Atualizado em 17/03/2021 às 14h23
Cena do curta-metragem
Cena do curta-metragem "Dia do Manguezal" desenvolvido pelos alunos da (Cmei) Jacyntha Ferreira Simões . Crédito: Instituto Marlin Azul/Divulgação

As artes visuais em um diálogo multicultural com o meio ambiente, no que tange, especialmente, à sua preservação. Com essa proposta, acontece nos dias 26 e 27 de março o 1º Festival de Cinema Velas do Piraquê-Açu. O evento, que será virtual, conta com sessões de cinema, palestras, shows, recital de poesia e desfile de veleiros. As transmissões dos 32 curtas-metragens selecionados acontecem pelo canal da Satírica Filmes, no YouTube, e são totalmente gratuitas. 

De acordo com a diretora do festival, Luiza Lubiana, a mostra presencial aconteceria na região de Santa Cruz, em Aracruz, onde o Rio Piraquê-Açu tem a sua foz. 

“O Rio Piraquê-Açu deságua em todos os rios. Um rio não é somente um curso d'água, mas tudo aquilo que pode fenecer se ele deixar de existir", responde a realizadora, adiantando que, para a sua primeira edição, com apenas um mês de inscrição, o festival recebeu 384 filmes para avaliação, de mais de 20 Estados.

"Quando a gente faz um festival, não fazemos somente exibição de filmes. Há um dialogo com toda a comunidade. Os índios guaranis vivem ali e são parte do majestoso rio, pois vivem, também, dele", explica a organizadora.

A expectativa para as próximas edições, assim que a pandemia da Covid-19 passar, é que as transmissões dos filmes aconteçam às margens do afluente.

"A ideia principal do nome, Velas do Piraquê-Açu, é esta. Vamos montar uma tela de exibição na vela de um dos barcos que ficam ancorados ali, onde o rio deságua no mar, e fazer as projeções ao ar livre, como uma sala aberta de cinema", planeja.

SELEÇÃO

Os projetos exibidos foram divididos em mostras temáticas, que dialogam com a natureza e a essência do comportamento humano. A sessão "Piraquê-Açu" homenageia povos originários, realizadores indígenas e temas ambientais; "Pororoca" traz títulos que retratam temáticas como feminicídio, homofobia e injustiças sociais; "Guerrilha" se propõe a mostrar filmes alternativos, realizados sem auxílio de editais. Haverá, também, a sessão "Escola Vai ao Cinema", destinada aos alunos da Secretaria Municipal de Educação de Aracruz. 

"Temos um dialogo com a comunidade escolar. A mostra 'A Escola Vai ao Cinema' serve de disciplina extra-curricular, onde os alunos fazem uma minidissertação sobre o filme que mais gostou. Isso gera reflexão sobre os conteúdos exibidos", pontua Lubiana.

A cineasta e produtora executiva Luiza Lubiana é organizadora do Fest Cine Velas do Piraquê-Açu
A cineasta e produtora executiva Luiza Lubiana é organizadora do Fest Cine Velas do Piraquê-Açu. Crédito: Lela Meneguelli/Satírica Filmes

Haverá, ainda, premiação para os títulos escolhidos nas categorias de Melhor Ficção, Melhor Animação, Melhor Filme Capixaba e Melhor Filme do Júri Popular. 

Além disso, a mostra vai oferecer duas menções honrosas, que levam o Troféu Piraquê-Açu. Já o melhor filme de baixo orçamento, feito sem auxílio de editais, concorrerá a uma premiação especial, o troféu "Tupiniqueen".

BELEZA

Entre os curtas-metragens escolhidos, destaque para "Dia do Manguezal", desenvolvido pelos alunos da (Cmei) Jacyntha Ferreira Simões, de Vitória, dentro do Projeto Animação desenvolvido pelo Instituto Marlin Azul

Filme
Filme "O Bestiário Invisível", de Tati Rabelo e Rod Linhales. Crédito: Reprodução "O Bestiário Invisível"

Os outros capixabas em competição são: "O Bestiário Invisível", de Tati Rabelo e Rod Linhares (foto); "As Três Graças", de Luana Laux; "Chamada a Cobrar", de Edson Ferreira; e "Cecropia com Cercospora", de Bruno Cabús. No Instagram, o festival divulgou recentemente os 32 títulos que integram a programação oficial. 

"Vieram muitos filmes e a gente 'peneirou' bastante, precisando deixar bons títulos fora da seleção. A programação está boa e variada, mas tenho um carinho especial pelos filmes 'Neguinho', 'Bestiário Invisível', da Mirabólica, aqui de Vitória, e para o documentário 'Atordoado, Eu Permaneço Atento'", defende Luiza.

Além da exibição de curtas, o evento contará com três palestras e uma live, com participação do cacique Werá Djekupé, da aldeia Kaagwy Porã. O chefe falará, entre outros assuntos, do reflorestamento de uma área da aldeia Nova Esperança. 

"O festival fez uma parceria com a AMIP (Associação dos Amigos do Piraquê-Açu) e estamos ajudando a aldeia a reflorestar 100 hectares. Em alguns anos, haverá uma floresta linda na região", comemora Lubiana. 

1º Festival de Cinema Velas do Piraquê-Açú contará ainda com um sarau de Poesia, com participação de Lobo Pasolini, Luiza Lubiana, Eriton Berçaco, Alexandre Batalha e moradores de Santa Cruz. No sábado, dia 27, na parte da manhã, haverá um encontro de veleiros, com os condutores das embarcações saudando o Porto de Santa Cruz, homenageando o festival.

Também organizadora do Festival de Cinema de Santa Teresa (Fecsta), Luiza Lubiana afirma estar procurando recursos para alavancar a quarta edição do evento. 

"Estamos aí, na labuta, tentando recursos. Fazer cinema é como atravessar um deserto sem tenda, sem cantil, sem odalisca e sem camelo. O que nos salva são as miragens e a possibilidade de transformar quimeras em realidades fílmicas. Sigamos", complementa, em tom de poesia.

FESTIVAL VELAS DO PIRAQUÊ-AÇU

  • QUANDO: dias 26 e 27 de março
  • COMO ASSISTIR: exibições gratuitas pelo canal da Satírica Filmes, no YouTube. 

PROGAMAÇÃO

  • DIA 26/03 - Sexta-feira

  • 9h - Mostra “A Escola Vai ao Cinema”
  • 13h - Live com o Cacique da Aldeia Nova Esperança e Vídeo dos índios da Aldeia Nova Esperança plantando árvores na área de reflorestamento
  • 14h - Roda de conversa com os cineastas
  • 15h30 - Palestra com Cintia Braga - "Ódio à Arte: a Cultura de Esquerda e seus percalços"
  • 16h30 - Exibição do média-metragem “Rio Itaúnas”, de de Kika Gouvea
  • 17h20 - Palestra com Luiz Cláudio Ribeiro -  "Santa Cruz, de aldeia jesuítica a vila indígena: a trajetória de um lugar"
  • 18h20 - Live com os diretores Henrique Bresciani e Alexandre Batalha exibição do curta documentário “Temporada Azul”
  • 19h - Mostra Guerrilha
  • 21h30 - Sarau Poético, com Lobo Pasolini, Luiza Lubiana, Ériton Berçaco, Alencar, Leonora e Alexandre Batalha

  • 27/03 - Sábado
  • 9h - Passeio de veleiros no rio Piraquê-Açu
  • 14h30 - Roda de Conversa com os Cineastas
  • 17h30 - Palestra com o Geógrafo Alessandro Chakal - "APA Costa Das Algas , Manguezal e Rio Piraquê-Açu"
  • 20h - Mostra Pororoca
  • 22h - Cerimônia de Premiação
  • 22h30 - Show com Simone Mazzer

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.