ASSINE

"Caminhos Possíveis" é a primeira exposição individual de capixaba

Nascida durante uma residência artística de Rafael Segatto no Pará, a exposição " será aberta na Homero Massena

Publicado em 28/09/2018 às 19h57

Em sua primeira exposição individual, o artista capixaba Rafael Segatto explora questões que sempre permearam seu pensamento através da fotografia. A contagem de tempo no mundo ocidental e os caminhos percorridos são alguns desses pontos que norteiam a mostra que será aberta no dia 1º de outubro e permanece em cartaz até 1º de dezembro na Galeria Homero Massena, em Vitória.

Natural de Vitória, Segatto tem a fotografia como principal linguagem. A mostra tem como ponto de partida a primeira experiência de Rafael como artista fora de Vitória. Depois de partir para a residência artística na Associação Fotoativa, em Belém, Pará, o artista capixaba começou a desenvolver algo que até então não sabia o que era. Entre outubro de 2017 a janeiro de 2018, Segatto ocupou o casarão da Associação, um espaço tradicional de fotografia por onde já passaram nomes renomados como Alexandre Sequeira e Luiz Braga.

“Estar nesse lugar convivendo com essas pessoas e outras coisas me fizeram começar a entender o que era a minha pesquisa. Aí me deparei com a questão da pesca, que faz parte da minha memória afetiva, já que na infância pescava com meu pai na Bahia. A princípio não foi intencional, mas a pesca é muito forte e aí busquei lugares de pesca artesanal”, conta.

São duas séries: O tríptico (três imagens) “A Queda do Céu”, que traz referências da ruptura com o tempo cronológico, e o políptico (cinco imagens) “Abridor de Caminhos e a Suspensão do Tempo”, que mergulha nas questões do tempo e a possibilidade de interpretações.

As regiões de Ilha de Maiandeua (Algodoal e Fortalezinha), Ilha do Marajó (Joanes, Monsarás e Soure), Ilha de Cotijuba e Ilha de Mosqueiro fizeram parte do roteiro de Segatto. “Fiquei um pouco à deriva procurando comunidades de pescadores. Aí passei a pescar, até para garantir meu próprio alimento e fazer uma inserção. E então o trabalho começou a acontecer”, relata Segatto.

Compreender o tempo do seu próprio corpo, muito além do tempo cronológico, era uma percepção que Segatto já possuía e ficou ainda mais notória durante o processo de produção. “Caminhos Possíveis” deve ganhar uma sequência em outra região do país, às margens de outro grande rio, e explorando ainda mais a relação com o tempo.

 

“O relógio e o calendário foram criados pelo ser humano. Lá (no Pará) eu senti que essa contagem acontece em uma outra ordem e pude sentir isso no meu próprio corpo. A natureza tem uma brutalidade impactante lá. O rio é mais rio, a floresta é mais floresta, o calor mais calor, é tudo mais intenso. As sensações e o dinamismo das cidades e comunidades pesqueiras são fortemente influenciados pelo tempo que não é necessariamente do relógio, é o tempo da lua que influencia na água, o Sol... o tempo da natureza”, reflete o artista.

Caminhos Possíveis 

De Rafael Segatto

Abertura: 1º de outubro às 19h30.

Visitação: até o dia 1º de dezembro. De segunda a sexta de 9 às 18 horas. Aos sábados das 13 às 17 horas.

Onde: Galeria Homero Massena. R. Pedro Palácios, 99, Cidade Alta, Vitória.

Informações: (21) 98424-0406

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.