ASSINE

Logo depois das eleições já vêm mais reformas, diz Guedes

O ministro também disse que o governo está desacelerando os gastos públicos. Para ele, o governo está devolvendo à classe política o comando dos recursos

Publicado em 23/11/2020 às 14h16
Paulo Guedes, ministro da Economia do governo Bolsonaro
Ministro da Economia, Paulo Guedes, critica fundo de proteção aos Estados na reforma tributária. Crédito: Marcello Casal/Agência Brasil

ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta segunda-feira (23), que há "conversas sendo feitas" e que logo depois do segundo turno das eleições virão "mais reformas". "Estamos aqui conversando entre a eleição, primeiro turno, segundo turno, já têm mais coisas aí sendo costuradas, conversas sendo feitas e logo depois das eleições já vêm mais reformas", afirmou Guedes em evento promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Ele citou os projetos de autonomia do Banco Central, a nova Lei do Gás e o novo marco da cabotagem como pautas de baixo custo político que devem avançar. "Reformas estão vindo. Temos pauta mínima que deve avançar", comentou Guedes.

"O BC independente está aí. Tenho certeza que a Câmara aprova logo mais. Sonho de mais de 40 anos, de despolitização da moeda", afirmou o ministro da Economia, para quem o Brasil já tem cultura de estabilidade monetária, faltando a lei.

Situação contrária em relação ao controle de gastos, observou Guedes. "Temos lei de responsabilidade fiscal, mas falta cultura de controle de gastos", disse o ministro, observando, por sua vez, que esse controle já está sendo implantado. "A democracia brasileira funcionou extraordinariamente bem para enfrentar a maior crise que o Brasil já enfrentou. Congresso foi reformista. Tomou as decisões", comentou Guedes, voltando a destacar a medida que veta o aumento para o funcionalismo público.

O ministro ainda reafirmou a necessidade de aprovação do pacto federativo para que a classe política possa ter controle sobre o orçamento. "Desobrigando, desvinculando, desindexando despesas e entregando orçamentos públicos para classe política. Hoje o dinheiro brasileiro já está todo carimbado", afirmou Guedes". "Ministro é ferramenta, quem teve voto é governador, prefeito, eles que têm de tomar conta dos orçamentos públicos", disse.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.