ASSINE

Guedes volta a criticar impostos sobre salários como forma de bancar CNI

"Quero deixar uma reflexão para a CNI [Confederação Nacional da Indústria]. Faz um belíssimo trabalho, mas a forma de financiamento está equivocada", afirmou Paulo Guedes

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 07/12/2021 às 14h00
O ministro Paulo Guedes
O ministro Paulo Guedes. Crédito: Washington Costa/ASCOM/ME

O ministro Paulo Guedes (Economia) voltou a criticar nesta terça-feira (7) a forma de financiamento do chamado Sistema S, conjunto de instituições administradas por entidades empresariais. Elas recebem recursos recolhidos pela Receita Federal sobre a folha de pagamentos das empresas.

"Quero deixar uma reflexão para a CNI [Confederação Nacional da Indústria]. Faz um belíssimo trabalho, mas a forma de financiamento está equivocada", afirmou em evento da própria CNI - que administra o Sesi (Serviço Social da Indústria) e o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial).

As entidades do Sistema S, que costumam oferecer também iniciativas de aprendizagem, são mantidas com contribuições das empresas que incidem sobre a folha de pagamento - tipo de cobrança que Guedes chama de arma de destruição em massa de empregos.

Este vídeo pode te interessar

"Não pode ser imposto sobre folha de pagamento, que é uma arma de destruição de massa de empregos. Se não falarmos a verdade um para os outros, não vamos ter sucesso. Só teremos sucesso se falarmos a verdade uns para os outros", afirmou no palco, que também tinha a presença do presidente da CNI, Robson Andrade (que aplaudiu a fala em meio aos aplausos da plateia).

"A verdade é que esse financiamento é equivocado. Destrói empregos. O trabalhador, para ganhar R$ 1 mil, custa R$ 2 mil para a empresa. É inaceitável", disse.

Apesar disso, o ministro afirmou que o trabalho de aprendizagem feito pelo Sistema S é brilhante, e que o ponto é a necessidade de mudar a forma de financiamento.

As falas de Guedes lembram quando o ministro afirmou que era necessário "enfiar a faca", no Sistema S. Isso ocorreu em dezembro de 2018, ates de ele assumir o cargo, mas o plano não avançou.

Neste ano, o governo criou uma MP (Medida Provisória) para usar recursos do Sistema S para o financiamento de um novo programa voltado ao treinamento profissional de jovens carentes. Metade seria paga pelo Sistema S e a outra metade pela empresa para a qual o indivíduo trabalha.

Mas os dirigentes das entidades resistem à mudança e a proposta caiu no Congresso.

Em setembro, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, fez comentário similar e defendeu "passar a faca" no Sistema S com o objetivo de se obter recursos para o pagamento de bolsas para a qualificação de jovens carentes.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.