ASSINE

Anac proíbe Itapemirim de retomar venda de passagens aéreas

A Itapemirim Transportes Aéreos anunciou a suspensão de suas atividades em dezembro do ano passado, às vésperas das festas de fim de ano, período de movimento nos aeroportos

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 08/01/2022 às 09h48

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) anunciou nesta sexta-feira (7) que proibiu a ITA (Itapemirim Transportes Aéreos) de voltar a vender passagens aéreas até que a empresa demonstre que cumpriu todas as ações corretivas para os consumidores afetados pela suspensão de suas atividades, como reacomodação e reembolso integral do bilhete aéreo.

Além disso, a agência determinou que todas as reclamações sobre a empresa registradas por passageiros na plataforma Consumidor.gov.br sejam respondidas, inclusive aquelas em que o prazo de dez dias para resposta tenha sido descumprido pela empresa.

Avião da Itapemirim (ITA Transportes Aéreos).
Avião da Itapemirim (ITA Transportes Aéreos). Foto: Gustavo Aguiar via Wikimedia Commons. Crédito: Gustavo Aguiar via Wikimedia Commons

A determinação tem como base a resolução número 400 da agência reguladora, que prevê que, em casos de interrupções de serviços, a empresa deve fornecer alternativas de reacomodação, reembolso e execução do serviço por outra modalidade de transporte, devendo a escolha ser do passageiro.

Procurada pela reportagem na noite desta sexta-feira (7), a empresa não respondeu.

A Itapemirim Transportes Aéreos anunciou a suspensão de suas atividades em dezembro do ano passado, às vésperas das festas de fim de ano, período de movimento nos aeroportos. Segundo a empresa, o cancelamento dos voos afetou um total de 45.887 passageiros que tinham serviços contratados entre a data do anúncio e o dia 31 de dezembro.

A Anac estabelece que a reacomodação dos passageiros afetados pela interrupção das operações deve ser feita por transferência para voo de outras companhias, por execução do serviço por meio de outra modalidade ou por reembolso integral do valor contratado, para a escolha do consumidor. Segundo o Grupo Itapemirim, sua empresa de transporte rodoviário, a Viação Itapemirim, utilizada para reacomodar passageiros.

A companhia também deve comprovar a realização de quaisquer outros reembolsos devidos ao consumidor em decorrência de descumprimento contratual verificado desde o início da comercialização das passagens aéreas.

No caso de reclamações na plataforma Consumidor.gov.br, a Itapemirim deve comprovar a resposta ao consumidor, observando o prazo de dez dias contados desde o registro da reclamação. Além disso, a Anac afirma que a empresa deve utilizar os meios de comunicação disponíveis e os dados de contato informados pelos consumidores para responder às reclamações cujo prazo já foi expirado.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.