ASSINE
Formado em Economia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Começou a carreira operando ações na antiga corretora do Banestes e há 5 anos é chefe da mesa de renda variável da Valor Investimentos. Sócio desde 2018 e um dos responsáveis pelo comitê de alocação de ativos. CFA® Program participant, CFA Institute.

Crise mundial abre janela de crescimento econômico para o Brasil

O impacto da sinalização de mudança de rumo na condução da política econômica das duas principais potências mundiais tem efeitos importantes. Resta saber se o Brasil vai aproveitar

Vitória
Publicado em 23/03/2022 às 11h39

As últimas semanas têm sido de surpresas nas principais economias mundo afora. Nos EUA, o banco central americano deu sinais mais duros de que não deve ser tão leniente com o aumento de preços e que pretende dar fim à escalada da inflação. Na China, o partido comunista deu sinais claros de que pretende retomar o crescimento econômico que experimentou nas últimas décadas e os estímulos devem voltar.

O impacto da sinalização de mudança de rumo na condução da política econômica das duas principais potências mundiais tem efeitos importantes. Soma-se a isso, o efeito da invasão Russa na Ucrânia, que tem elevado o preço das commodities de maneira muito agressiva e provocado alteração no preço dos principais ativos.

Do lado americano o impacto é mais direto e, apesar de parecer contraintuitivo, era o que os mercados esperavam. Com a sinalização de que será necessário subir os juros mais rápido, o FED retoma as rédeas da economia e dá o sinal que os investidores esperavam de que a inflação não entrará em inércia, fenômeno muito conhecido pelos países sul-americanos e que esteve ao lado de nós, brasileiros, por décadas.

Economia, crise e desenvolvimento
Economia, crise e desenvolvimento. Crédito: Freepik

Já no lado chinês, o sinal enviado foi exatamente o oposto. Ao contrário da aparente “freada” na economia americana, o BC chinês deixou claro que pretende voltar a estimular o setor imobiliário (principal setor da economia chinesa). Usando da mesma mola propulsora de sempre – o dinheiro público – a China pretende acelerar sua economia em direção ao que viveu nos últimos anos antes da pandemia. Era de se esperar que, com o fim da olimpíada de inverno, os estímulos voltassem e chegaram em um momento importante.

A soma de todos esses vetores dá sinais de que podemos estar próximos do fim desse curtíssimo “bear market” (mercado em baixa) nas principais bolsas mundiais.

O preço das commodities em alta, por conta da guerra e do reaquecimento da economia chinesa, traz efeitos muito importantes para o nosso Brasil e, se não nos embolarmos com a eleição que está por vir, podemos ter uma janela de crescimento importante nos próximos 12 meses.

Como na maior parte da nossa história, o controle do nosso futuro está nas nossas mãos.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.