ASSINE
Formado em Economia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Começou a carreira operando ações na antiga corretora do Banestes e há 5 anos é chefe da mesa de renda variável da Valor Investimentos. Sócio desde 2018 e um dos responsáveis pelo comitê de alocação de ativos. CFA® Program participant, CFA Institute.

Crescimento econômico brasileiro dá sinais de ficar no zero a zero em 2022

Assim como no futebol, não dá pra cravar o resultado, mas esse ano tem cara de empate! Pode ser mais um ano sem crescimento econômico acima da inflação e existem diversas razões para explicar isso

Vitória
Publicado em 06/04/2022 às 10h35

Ultimamente, o Fluminense tem me dado mais alegrias do que a economia brasileira. O consenso para o crescimento econômico brasileiro no ano de 2022 se aproxima cada vez mais do zero. Boa parte dos economistas, me incluo aqui, acreditam que a economia brasileira pode reeditar mais um ano sem crescimento econômico acima da inflação e existem diversas razões para explicar isso.

Em primeiro lugar, o país nos surpreendeu com uma taxa de crescimento de mais de 4% em 2021 impulsionado pelos diversos estímulos econômicos empreendidos pelo banco central. Em 2020 e em 2021 vimos um estímulo monetário e fiscal sem precedentes e o reflexo imediato disso foi visto no nosso PIB.

Na maioria das vezes em que a economia reage a estímulo externo (estado) existem efeitos colaterais que podem emergir, e no nosso caso não será diferente. Caso as condições atuais se mantenham, podemos esperar um arrefecimento na nossa trajetória de crescimento de curtíssimo prazo. Gosto de pensar o estímulo como o acelerador de um barco, que assim que é retirado abruptamente provoca uma desaceleração mais forte.

Brasil
Economia brasileira. Crédito: Pixabay

O desafio nas principais economias mundiais é o mesmo, o FED (banco central americano) busca retirar estímulos de maneira gradual e espera acomodar as taxas de crescimento. É um desafio enorme e só saberemos se será bem-sucedido no fim do ano.

Outro fator que não vai facilitar a vida dos brasileiros em 2022 é a continuação de uma taxa de inflação (aumento do nível de preços) mais alta do que o esperado. O preço das commodities, energia elétrica e escassez de uma série de matérias-primas faz com que o preço da maioria dos produtos continue subindo e provoque desabastecimento. A inflação é um fenômeno mundial e o brasileiro vai precisar conviver com ela por mais alguns meses, no mínimo.

E a cereja do bolo são as eleições. Mais uma vez temos um cenário binário, com duas plataformas de governo bem distintas. A incerteza com relação à condução da política econômica do país afasta e posterga investimento e corrobora a tese de baixo crescimento.

Para finalizar, no caso da economia brasileira, não esperamos um gradualismo na diminuição do crescimento como na economia americana. Somos um país exportador de alimentos e materiais básicos, que vive uma taxa de desemprego e endividamento altos. A volatilidade característica de um país emergente nos faz esperar mais um ano zerado.

Assim como no futebol, não dá pra cravar o resultado, mas esse ano tem cara de empate!

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.