ASSINE
Graduado em Economia pela UFES, com pós-graduação em Gestão Financeira pela FGV/Mmurad. Agente de Investimentos autorizado pela CVM. Sócio da Valor Investimentos.

Reserva de emergência fica atrativa novamente; entenda

O percentual da carteira a ser alocado nesse tipo de ativo varia muito em função da estabilidade garantia da renda mensal do indivíduo/família

Vitória
Publicado em 03/01/2022 às 13h47

A reserva de emergência é comumente indicada para compor um portfolio no planejamento financeiro individual e familiar. O percentual da carteira a ser alocado nesse tipo de ativo varia muito em função da estabilidade garantia da renda mensal do indivíduo/família. Indicamos um valor padrão que corresponda a 6 meses de gastos correntes.

Esse valor normalmente é aplicado em ativos seguros, tanto do ponto de vista da garantia do crédito, quanto com relação à garantia da rentabilidade contratada. Isto é, um tipo de investimento que o investidor, caso precise, possa resgatar os recursos com agilidade e sem perdas. São alguns exemplos desses ativos: LFT, CDB, LCI e Fundos DI.

Há alguns meses, os investidores não se interessavam mais em olhar para esse tipo de investimento em função da baixa rentabilidade apresentada, já que a SELIC estava em níveis muito baixos. Agora, isso está mudando. Dados do Relatório Focus do Banco Central (24/12/2021) indicam isso.

Dados mostram o que motivou a mudança de interesse na reserva de emergência
Dados mostram o que motivou a mudança de interesse na reserva de emergência. Crédito: Banco Central

Com SELIC em 9,25% e com possibilidade de chegar aos 11,5% ao ano em 2022, podemos voltar e ver um juro real de aproximadamente 5% ao ano nesse tipo de ativo. Importante destacar que esse juro real citado em ativo sem risco e com liquidez é um privilégio difícil de ser encontrado.

A título de curiosidade: o juro real é o que efetivamente mostra quanto rende um investimento. Isso porque ele desconta do rendimento o impacto que a inflação (IPCA) causa no período em que os recursos estiveram investidos. Em períodos de inflação alta, ficar atento ao juro real de um investimento é ainda mais importante.

Essa mudança de cenário explica a elevada busca por esse tipo de ativo que, de quebra, pode ser aproveitado para eventual surgimento de oportunidades imperdíveis de investimentos, seja no mercado financeiro, seja na chamada “economia real”.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.