ASSINE
Árbitro capixaba com maior número de atuações nacionais e internacionais, especializado em gestão esportiva,e que atuou em dez finais do Campeonato Capixaba, além de partidas das séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro.

Times precisam aprender a usar as regras do futebol para benefício próprio

O futebol certamente é um dos esportes cujos praticantes menos conhecem as suas regras

Publicado em 26/04/2021 às 02h00
cartão amarelo
Jogadores de futebol estudam pouco sobre as regras do jogo. Crédito: Freepik

O futebol certamente é um dos esportes cujos praticantes menos conhecem as suas regras. Qualquer outra modalidade dificilmente se pratica sem esse conhecimento. Um jogador de xadrez, por exemplo, não mexe nenhuma peça se não houver muito entendimento das regras do jogo; assim como também dificilmente se jogaria tênis, basquete, voleibol, handebol, esgrima e outros esportes sem saber suas respectivas regras. Isso porque os movimentos e jogadas de ataque, defesa e contra-ataque se desenvolvem a partir daquilo que pode ou não pode ser feito e isso tudo é determinado justamente pelas regras.

Tudo então deveria ser planejado a partir disso, ou seja, fazer uso da regra do jogo a seu favor o tempo todo. No futebol, toda evolução técnica e tática aconteceu acompanhando a evolução das regras de forma mais forçada que pensada pelos treinadores e jogadores.

O futebol que era praticado antes da lei do impedimento, por exemplo, era jogado todo dentro da área do adversário, porque, sem impedimento, todos atacantes ficavam próximos ao goleiro e os defensores eram obrigados a recuar para marcá-los, transformando a área de meta (pequena área) num verdadeiro ringue de disputa.

Ao se determinar que um atacante estaria impedido de jogar se não tivesse ao menos dois adversários a sua frente quando recebesse a bola, isso fez com que os defensores saíssem da área e os atacantes também recuassem para sair da infração do impedimento. Dessa forma, surgiram os jogadores habilidosos no meio-campo para pensar as jogadas, passes, avanço dos laterais vindo de trás e etc. Uma simples mudança na regra mudou toda a forma de jogar na parte tática e técnica das equipes.

Recentemente, outra modificação na regra, que determinou que a bola não precisa mais sair da área para entrar em jogo na cobrança de um tiro de meta, acabou com aquele chutão direto para o ataque e fez com que os times adiantassem a marcação lá na saída de bola do adversário, que também aprimorou a saída para o jogo, valorizando e treinando mais o jogo com a posse de bola.

Com o conhecimento de que não há impedimento de tiro de meta, os treinadores poderiam colocar seus atacantes próximos ao goleiro adversário, o que obrigaria o time adversário a recuar a marcação e assim se ganharia mais espaço para sair jogando, entre outras possibilidades que poderiam ajudar muito a surpreender o adversário numa partida.

Para ser justo, o treinador Muricy Ramalho utilizou a regra do impedimento a seu favor quando foi campeão brasileiro pelo São Paulo em 2006 e 2007. Ele colocava o atacante Luiz Fabiano em posição de impedimento em uma cobrança de falta a seu favor e lançava a bola para outro atacante que vinha de trás. Isso lhe rendeu alguns gols na competição, o que certamente ajudou muito na conquista do título de campeão. Mas isso ainda é pouco diante do que se pode fazer usando as regras com inteligência.

Os clubes deveriam investir muito mais nesse tipo de conhecimento em seus departamentos, já que certamente somaria muito na evolução dos treinamentos e no nível do futebol praticado pelas equipes.

ÁRBITRO ERROU NO JOGO ENTRE FLAMENGO E VOLTA REDONDA

Flamengo x Volta Rendonda - 24-04-2021 - Foto - Alexandre Vidal
Foto: Alexandre Vidal / Flamengo
Flamengo venceu o Volta Redonda por 2 a 1 e foi campeão da Taça Guanabara. Crédito: Alexandre Vidal/Flamengo

No jogo entre Flamengo e Volta Redonda, onde o rubro negro conquistou a tradicional Taça Guanabara no Campeonato Carioca, houve um lance no mínimo curioso. Aos dez minutos do segundo tempo, o jogo estava empatado em 1 a 1 quando árbitro deu a lei da vantagem em um ataque do Volta Redonda e, quando o atacante Alef Mangueira estava na cara do gol, ele voltou e marcou a falta lá no campo de defesa, causando revolta nos torcedores e jogadores. Um lance primário e um erro muito grave de um árbitro experiente como o carioca Graziane Rocha, que não se justifica em um jogo decisivo no qual um possível gol faz toda diferença.

IMPORTAÇÃO DE ÁRBITROS

Com a chegada das fases decisivas dos campeonatos estaduais, está aberta a temporada de importação de árbitros de outros estados. Começou pelo Campeonato Pernambuco que já teve um árbitro de Santa Catarina apitando um dos jogos do Sport. Alguns estados já não permitem essa prática que desprestigia a arbitragem local, além de já termos visto muitas vezes que isso não resolve nada. É bom também registar que aqui no Espírito Santo isso nunca aconteceu. Eu mesmo tive a honra de apitar dez finais de Capixabão, bem como muitos outros árbitros locais.

CURIOSIDADE DO DIA

  • Não tem conversa: O jogador que retirar a camisa durante a comemoração de um gol deve ser advertido com cartão amarelo mesmo que tenha outra camisa igual por baixo.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.