ASSINE
Árbitro capixaba com maior número de atuações nacionais e internacionais, especializado em gestão esportiva,e que atuou em dez finais do Campeonato Capixaba, além de partidas das séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro.

Comissão de Arbitragem da CBF vai realizar workshop e VAR está na pauta

Árbitros brasileiros vão participar do evento on-line, que terá grandes nomes da arbitragem mundial

Publicado em 03/05/2021 às 02h00
VAR
Árbitro de vídeo não pode interferir em todos os lances do jogo. Crédito: CBF/Divulgação

Faltando menos de um mês para o início do Brasileirão 2021, a comissão de árbitros da CBF vai realizar um workshop com os maiores nomes da arbitragem mundial nos dias 11 e 12 maio. O evento on-line, que terá as participações do italiano Pierluigi Colina, presidente da Comissão de árbitros da Fifa, do suíço Massimo Busacca, do Uruguaio Jorge Larrionda, ambos também da Fifa, e do brasileiro Wilson Seneme, presidente da Comissão de árbitros da Conmebol. O objetivo é orientar os árbitros brasileiros sobre as novas dinâmicas da arbitragem mundial e de atualizar a todos sobre o uso do VAR, já que os brasileiros ainda apresentam muita dificuldade para utilizarem o equipamento.

Com esse workshop, a Fifa inicia uma espécie de turnê visando à unificação dos procedimentos da arbitragem mundial para a Copa do Mundo do Catar em 2022. As arbitragens brasileira e sul-americana estão bem aquém em relação à arbitragem europeia após a implantação de recursos tecnológicos como o VAR e, de fato, necessitam dessa reciclagem.

IMPORTAÇÃO DE ÁRBITROS – PARTE 2

Sobre a importação de árbitros de outros estados para apitarem jogos dos campeonatos estaduais pelo Brasil, como citamos na coluna passada, a Associação Nacional de Árbitros de Futebol (Anaf) se manifestou contra esse procedimento e cobrou posição da CBF sobre o assunto.

Em Pernambuco, liderados pela Anaf, os árbitros já se posicionaram e decidiram que não apitam mais jogos das equipes do Sport e do Retrô, alegando que se as duas equipes pediram árbitros de outros estados para suas partidas decisivas, então eles não servem também para o restante da temporada em todas as categorias profissionais e amadoras em partidas dos dois times. No sábado, para reforçar e mostrar a capacidade da arbitragem nordestina, o árbitro piauiense, Antônio Dib, teve arbitragem perfeita no primeiro jogo da final da Copa Nordeste entre Bahia e Ceará. Impasse formado e ponto para a Associação Nacional de Árbitros.

IMPASSE EM SÃO PAULO

Na arbitragem de São Paulo, o impasse é entre os árbitros e a presidente da Comissão de Arbitragem, Ana Paula de Oliveira. Ela expulsou o árbitro Leandro Carvalho da Silva do hotel no qual está em treinamento, a “bolha” do apito estadual.

O motivo é o desdobramento de um erro grosseiro cometido por sua colega Edina Alves Batista, uma das principais figuras da arbitragem brasileira no momento. Ela, no jogo entre Inter de Limeira e Red Bull Bragantino, pela quinta rodada do Campeonato Paulista, expulsou o jogador da Inter de Limeira Matheus Alexandre aos 12 minutos do segundo tempo. No entanto, não mostrou o cartão vermelho após apresentar o segundo amarelo.

O então quarto árbitro, Leandro Carvalho da Silva, ao preencher a súmula, perguntou a Edina qual o motivo de ela não ter mostrado o vermelho. Ela recusou-se a falar. A chefe da arbitragem não gostou e deu cartão vermelho ao quarto árbitro. Interessante é que quem de fato errou, a Edina Alves, saiu ilesa e não sofreu nenhuma punição até o momento. Impasse formado e bola fora da comissão de arbitragem.

EXPULSÃO APÓS O APITO FINAL

Ainda pelo Campeonato Paulista, uma expulsão diferente no jogo entre Guarani e Novorizontino chamou a atenção. Depois de uma virada emocionante do Guarani, que perdia por 1 a 0 e conseguiu a vitória por 2 a 1, logo após o apito final do árbitro, os jogadores Bigu e Rodrigo Andrade, ambos do time de Campinas, brigaram trocando socos e pontapés dentro de campo, o que resultou na expulsão dos dois jogadores.

CURIOSIDADE

  • Tempo: O jogo terá duração de dois períodos iguais de 45 minutos cada, que só poderão ser reduzidos se houver acordo entre o árbitro e as duas equipes, antes do seu início e desde que haja previsão no regulamento da competição.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.