ASSINE
Árbitro capixaba com maior número de atuações nacionais e internacionais, especializado em gestão esportiva,e que atuou em dez finais do Campeonato Capixaba, além de partidas das séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro.

Arbitragem foi o ponto fraco da temporada 2021 do futebol brasileiro

Árbitros não se adaptaram ao excelente recurso do VAR e deixaram muito a desejar. Trouxeram mais polêmicas e reclamações do que soluções rápidas

Publicado em 06/12/2021 às 02h00
Arbitragem
Com ou sem VAR, arbitragem é sempre protagonista no mundo da bola. Crédito: Thiago Ribeiro/AGIF

A temporada do futebol de 2021 chega ao fim com os títulos principais vencidos por Botafogo na Série B e o Atlético-MG na Série A da competição. Tivemos um ano atípico no qual a pandemia interferiu no calendário de várias competições e na ausência do público em quase todas as disputas.

Diante dessa realidade inédita, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) trabalhou muito bem na organização e na condução de toda a situação. Mérito também para as federações que enfrentaram o mesmo problema e souberam contornar e concluir bem os estaduais.

O ponto fraco, a meu ver, ficou por conta da arbitragem, que não conseguiu se adaptar ao excelente recurso do VAR e deixou muito a desejar com participações confusas que trouxeram muito mais polêmicas e reclamações do que soluções rápidas e eficientes, como deveria ser.

Um departamento fundamental no contexto do futebol, como é o de arbitragem, se arrastou sem nenhum projeto ou capacidade de gestão e teve seu comandante, Leonardo Gaciba, demitido antes mesmo do final da competição, o que mostra que a aposta no ex-árbitro Fifa não deu certo, assim como toda a equipe restante da comissão de arbitragem, que já deu o que tinha que dar e deve dar espaço a um projeto novo que faça uma discussão ampla do protocolo VAR e aplique uma gestão baseada na formação, desempenho e na meritocracia.

A reformulação geral, prometida pelo presidente da entidade, Ednaldo Rodrigues, chegará em boa hora para que os novos gestores possam resgatar a credibilidade e recolocar a arbitragem brasileira de novo entre as melhores do mundo. Diminuir custos, modernizar a gestão e aplicar metodologia moderna de formação de novos árbitros são fundamentais e urgentes para que em futuro próximo tenhamos melhores resultados.

Quem soube se planejar, como Botafogo e Atlético-MG, venceu com méritos e muita organização. No futebol, compromisso, união e comando são elementos que devem fazer parte de uma equipe vencedora. Parabéns à CBF, às federações e aos times campeões e, quanto à arbitragem, vamos torcer por dias melhores em 2022.

FÉRIAS

Com o final da temporada do futebol, comunico aos nossos leitores que vamos dar uma pausa na nossa coluna e retornar em fevereiro para mais um ano de muito esporte e emoção.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.