ASSINE
Rodrigo Lima é empresário no mercado de automóveis premium, estética automotiva e marketing digital. Um empreendedor sempre na vanguarda das novas tendências no mercado de luxo e estilo de vida.

Já ouviu falar em clubes de carros de luxo?

No caso da Tesla, por exemplo, que não tem representante oficial no Brasil, os donos de carro da marca são bem unidos e trazem até mecânico especializado esporadicamente para cumprir as devidas manutenções

Vitória
Publicado em 19/11/2021 às 01h59
O mundo dos automóveis reverbera o verdadeiro sentido por trás das máquinas criadas pelo homem, que não é só para o usufruto, e sim, para conexão entre as pessoas e gerar a socialização entre os indivíduos.
O mundo dos automóveis reverbera o verdadeiro sentido por trás das máquinas criadas pelo homem, que não é só para o usufruto, e sim, para conexão entre as pessoas e gerar a socialização entre os indivíduos. Crédito: Ueliton Santos

Os veículos de luxo são objeto de desejo de muita gente, e não só para ostentar posses, mas também para pertencer a um grupo de opiniões ideológicas e políticas similares, como também acionar uma válvula de escape frente à rotina diária que de modo geral é muito estressante.

As marcas como Porsche, Mini, Tesla, entre outras, estimulam esse tipo de associação, e, hoje em dia, com a facilidade das redes, é muito fácil você fazer parte de um núcleo, já que em livre busca se conecta com os usuários desses modelos.

No caso da Porsche, as concessionárias autorizadas da marca no Brasil criam encontros sazonais para clientes a fim de estabelecer relacionamento e demonstrar as particularidades e a performance das suas viaturas.

Essas reuniões geram pertencimento e comunhão de interesses. O consumidor de supercarros gosta de se associar a pessoas com mesmos pensamentos e estilo de vida, o que consolida esse tipo de hobby.

Quando falamos dos elétricos, existem grupos de WhatsApp e até aplicativos que comunicam aos possuidores dicas, locais de abastecimento, e informações sobre os veículos.

Como a Tesla não possui representante oficial no Brasil, os donos desse modelo são bem unidos e trazem até mecânico especializado esporadicamente para cumprir as devidas manutenções.

Outro movimento que está em evidência é o de superesportivos, que independente da marca, esses grupos fomentam encontros e confraternizações entre seus associados, o que estimula ainda mais o apetite dos entusiastas por carros.

Por fim, o mundo dos automóveis reverbera o verdadeiro sentido por trás das máquinas criadas pelo homem, que não é só para o usufruto, e sim, para conexão entre as pessoas e gerar a socialização entre os indivíduos.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Mercado Automotivo Carros de Luxo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.