ASSINE
Mestre em Direitos e Garantias Fundamentais. Pesquisa questões referentes a gênero, discursos, poder e violências contra mulheres

O coronavírus traz à tona como é nossa noção de cuidado e humanidade

Espero que essa crise pela qual todos estamos passando sirva para refletirmos sobre a modalidade de cuidado que temos uns com os outros

Publicado em 18/03/2020 às 05h00
Atualizado em 18/03/2020 às 05h00
Mulher usa álcool em gel para evitar infecção de coronavírus. Crédito: Freepik
Mulher usa álcool em gel para evitar infecção de coronavírus. Crédito: Freepik

A chegada com mais força do aumento de casos do Covid-19 no Brasil está fazendo as autoridades tomarem decisões importantes (menos o presidente da República, que está atuando no sentindo contrário, como é de costume desde o início do seu mandato) para a prevenção e para o controle da pandemia que está alastrada por todo o mundo.

Seguindo orientações da OMS e tomando como exemplo o que tem sido feito em outros países, as aulas em escolas e universidades particulares e públicas estão sendo suspensas gradativamente e repartições públicas e empresas estão instituindo rotinas de trabalho diferentes, autorizando o home office. O que mais se tem pedido é para que as pessoas fiquem em casa, trabalhem de casa e evitem aglomerações.

Há aspectos importantes a serem pensado em torno disso tudo. O primeiro é relacionado ao fato da estabilidade empregatícia e o boom de autônomos que tem eclodido no Brasil. Quem dera todas as pessoas pudessem fazer seus trabalhos de casa, sem necessidade de atravessarem as cidades em transportes públicos precários e caros, mantendo a distância social recomendada para esse momento.

Quem dera todos pudessem receber sua verba remuneratória mesmo sem comparecerem aos postos de trabalho. E como fica a situação dos “empreendedores”? Se o motorista de aplicativo não for trabalhar para não ter contato social, ele não recebe. Se a diarista não for trabalhar para evitar o contato com pessoas que podem transmitir o vírus, ela não vai ter como se sustentar e aos seus.

Uma segunda questão, que é sempre pauta dos meus questionamentos e eu faço questão de compartilhar, pois muitas vezes passa despercebido pela maioria das pessoas, diz respeito a quem será responsável por cuidar das pessoas doentes. Quem ficará responsável pelos bebês e pelas crianças que não estarão nas escolas sendo cuidadas?

É fato que a responsabilidade do cuidado fica a cargo das mulheres sempre. Durante essa crise, haverá tantas famílias que estarão com suas crianças em casa sem aulas regulares, com os pais e mães fazendo home office e, ao mesmo tempo, estarão exigindo a presença de empregadas domésticas e diaristas cumprindo a jornada normal nos lares alheios.

Além de questões de gênero, a atual crise do coronavírus escancara questões de classe, escancara questões sensíveis de empatia e humanidade. Espero que essa crise pela qual todos estamos passando sirva para refletirmos sobre a modalidade de cuidado que temos uns com os outros, para que pensemos em quem sempre depositamos a responsabilidade desse cuidado e como a nossa noção de coletivo precisa urgentemente ser remodelada.

Saúde Coronavírus Coronavírus no ES

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.