ASSINE
A Influencer Rayane Souza é uma das vozes no movimento Plus Size Capixaba. Já representou o Estado em diversos concursos de beleza plus size levando a bandeira do empoderamento e da auto estima da mulher plus

E sobre as gordas pretas?

Aliada na luta antirracista me sirvo de palco e enalteço vozes que com muita propriedade abordam o assunto e compartilham suas experiências com sensibilidade e sensatez

Publicado em 03/06/2020 às 15h46
Atualizado em 03/06/2020 às 15h46
Mel Soares (@relaxaaifofa) ensina a necessidade de cobrar o posicionamento de marcas a respeito da luta antirracista
Mel Soares (@relaxaaifofa) ensina a necessidade de cobrar o posicionamento de marcas a respeito da luta antirracista . Crédito: Reprodução/ Instagram

Diante do cenário desta semana, hoje quero celebrar e enaltecer todas as mulheres gordas e pretas que dividem seus conhecimentos e experiências, e nos ensinam o verdadeiro significado de luta.

Que realidade é essa? Gorda e preta? O ativismo do corpo gordo sem dúvidas privilegia gordas e brancas? A gordofobia sofrida por uma gorda e preta nos leva a discussões diferenciadas sobre o assunto? Sem dúvidas, resposta positiva para todos os questionamentos. Tenho aprendido que quando o assunto é militância gorda e preta, estamos falando de outra realidade: de dor e oportunidades.

Posicionada como aliada na luta antirracista me cabe servir de palco e enaltecer vozes que com muita propriedade abordam sobre o assunto e compartilham suas experiências com sensibilidade e sensatez.

Quem são as gordas negras?

Este vídeo pode te interessar

“Somos as silenciadas, desumanizadas e desautorizadas. Que não são interessantes para o movimento gordofóbico, para dar palestras, para os ensaios de fotos...”. Esse desabafo parte de Luana Carvalho, gorda ativista que em suas redes sociais aborda diariamente a necessidade de falarmos sobre o espaço que a militância gorda e negra merece.

Luana Carvalho (@lxccarvalho)  aborda diariamente a necessidade de falarmos sobre o espaço que a militância gorda e negra merece
Luana Carvalho (@lxccarvalho) aborda diariamente a necessidade de falarmos sobre o espaço que a militância gorda e negra merece. Crédito: Reprodução/ Instagram

O desabafo nos provoca um choque de realidade, pelo menos para mim, é inevitável não refletir e concordar! Qual representatividade gorda e negra encontramos nas passarelas do Vitória Moda? Ou nos eventos realizados nos shoppings, ou em campanhas publicitárias?

Como sempre abordo aqui, mulheres gordas tem conquistado seus espaços no mercado a cada dia, e ainda precisamos alcançar lugares que não alcançamos. Mas com as gordas negras, é outra história não é mesmo?

Luana complementa muito ao dizer que falar de acessibilidade e segurança do gordo negro, não importa quando se tem um movimento antigordofobia dominados por brancos. 

Ser oprimido dentro de um movimento que em regra luta contra a opressão, é a sensação de nadar desesperadamente até a superfície e buscar pelo respiro de sobrevivência. 

No ativismo gordo muito se tem a aprender, ouvir e conhecer. Falando sobre militância na moda, sempre questionamos a inacessibilidade de tamanhos grandes nas marcas, de tendências para corpos gordos, mas também falhamos em questionar a ausência de atuação de modelos e influenciadores negros. 

Outra abordagem feita com muita propriedade é da influenciadora Mel Soares, reconhecida como uma das maiores 'Fat Fashions' do Brasil. Mel, como mulher gorda e negra, também ensina a necessidade de cobrar o posicionamento de marcas a respeito da luta antirracista. Além da importância e responsabilidade sociais que marcam possuem em contratar pessoas negras para integrarem suas equipes, visando oportunidade e acesso.

As gordas e pretas têm muito a dizer! Estamos preparados para ouvir?

Que nossos ouvidos não estejam atentos apenas nesse momento, mas que seja o início de novos hábitos, pensamentos e posturas. Acredito que 2020 já vem provando ser um tempo de revoluções. É o momento de se posicionar, racistas e gordofóbicos, de fato, não passarão.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Fique bem opinião racismo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.