ASSINE
A Influencer Rayane Souza é uma das vozes no movimento Plus Size Capixaba. Já representou o Estado em diversos concursos de beleza plus size levando a bandeira do empoderamento e da auto estima da mulher plus

Advogada sofre constrangimento pelo seu peso em programa de TV

No programa Mulheres, Sandra Daniotti foi constrangida ao vivo, por uma médica, por conta de seu peso. O raciocínio enraizado da sociedade é de que uma mulher gorda nunca estará satisfeita consigo mesma e precisará de ajuda para alcançar o corpo padrão que todos esperam que ela tenha

Publicado em 11/06/2020 às 08h00
Atualizado em 11/06/2020 às 12h44
 Advogada Sandra Daniotti
Advogada Sandra Daniotti. Crédito: Reprodução

Não temos um minuto de descanso.

Até quando iremos debater sobre o respeito que corpo gordo merece? Até quando a sociedade entender que um corpo gordo é só um corpo, logo só diz respeito a pessoa que o habita.

O programa Mulheres, da TV Gazeta SP, apresentado por  Regina Voltado, realizou uma pauta jurídica a respeito dos "Direitos de Família e da Violência Doméstica" em tempos de pandemia. O programa fluiu perfeitamente e muitas pautas jurídicas de extrema importância foram esclarecidas pela advogada Sandra Daniotti, convidada do programa.

Até que outra profissional, médica, aparece ao vivo através de vídeo, e antes de iniciar suas indagações relacionadas a pauta do dia, se dirigiu a advogada e sugeriu que ela emagrecesse. Dizendo que a emissora estava querendo ajudá-la a emagrecer, isso ao vivo. A advogada visivelmente constrangida com a abordagem, ainda repreendeu o comentário de sua colega dizendo que a pauta do programa era jurídica.

O fato tomou conta das redes de diversos profissionais da área jurídica, do jornalismo e também dos ativistas.

A influenciadora e microempresária cearense Carol Zacarias, referência em seus posicionamentos antigordofobia, foi uma das primeiras a questionarem a conduta inadequada do programa Mulheres.  “Quero ressaltar a gravidade do que aconteceu! Uma mulher competente e profissional que se dispõe em compartilhar seus conhecimentos jurídicos em um programa, sofrer tamanho constrangimento publicamente desta maneira”, disse Carol. 

Fica evidente que o corpo e o peso da advogada se torna pauta aonde não deveria. E a partir disso percebemos o quanto a gordofobia acontece de maneira muitas vezes “normal”, pois o raciocínio enraizado da sociedade é de que uma mulher gorda nunca estará satisfeita consigo mesma e precisará de ajuda para alcançar o corpo padrão que todos esperam que ela tenha.

Outro ponto que podemos analisar da situação é a conduta irresponsável que a direção do programa teve, e isso se aplica a postura da apresentadora Regina Volpato ao rir da situação e ter sido completamente conivente e inerte na mediação. Em relação a isso, a jornalista baiana Naiana Ribeiro se posicionou alertando sobre a necessidade dos veículos de comunicação serem “ferramentas de promoção de diversidade e de luta contra o preconceito através da informação, e que o episódio lamentável acabou reforçando esteriótipos, mostrando o emagrecimento como prêmio”. 

"A principal questão, do ponto de vista jornalístico, é que a advogada Sandra Daniotti estava lá para falar de direito da família. Quando você tem uma fonte em televisão ao vivo, qualquer coisa que vá acontecer ali precisa ser pré-acordada com a fonte/convidada, para que ela não seja pega de surpresa e esteja preparada para responder o que foi pedido. E não foi o que aconteceu", diz Naiana Ribeiro. 

Nas redes sociais mulheres discutem as possibilidades jurídicas cabíveis, caso a advogada Sandra Daniotti decida questionar seus direitos após o constrangimento sofrido. A advogada capixaba e ativista Mariana Vieira Oliveira é co-fundadora do projeto “Gorda na Lei” que traz como pauta a prática processual na luta contra a gordofobia. "Em casos como este é necessário realizar uma representação junto ao Conselho Regional de Nutrição, posto que a conduta da profissional de saúde fere o código de ética e conduta do nutricionista. Ainda, não existe lei específica que se refira a gordofobia como crime, porém, caso a pessoa se sinta ofendida tal conduta pode ser caracterizada como injúria, que é um crime contra a honra". 

É lamentável admitir, mas não é a primeira vez que o corpo gordo é constrangido publicamente. Propor emagrecimento ao outro, e colocar o corpo gordo em pauta acima de outras questões, continua sendo o reflexo de uma sociedade preconceituosa e gordofóbica.

Quantas mulheres gordas são atacadas em suas profissões e presenciam sua competência serem resumidas a sua imagem? Não podemos deixar de questionar e nem de levantar nossas bandeiras. 

A advogada Sandra aceitou o desafio do emagrecimento após o constrangimento, e mesmo que essa decisão tenha sido tomada diante de uma pressão midiática, o fato a fez se justificar sobre seu peso mesmo que isso não seja da conta de ninguém. Mais uma vítima da pressão estética e da gordofobia.

A direção do programa Mulheres ainda não se posicionou! A apresentadora Regina Volpato se retratou em suas redes sociais, mas ainda aguardamos a retratação do programa e da profissional autora do constrangimento.

opinião

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.