ASSINE
Crítico de cinema e apaixonado por cultura pop, Rafael Braz é Jornalista de A Gazeta desde 2008. Além disso é colunista de cultura, comentarista da Rádio CBN Vitória e comanda semanalmente o quadro Em Cartaz

"Venom: Tempo de Carnificina" é uma bobagem divertida

Cheio de autoironia, "Venom: Tempo de Carnificina" é bem-humorado e tem bons vilões. Filme é melhor que seu antecessor, mesmo que isso não seja lá tão difícil

Vitória
Publicado em 07/10/2021 às 18h08
Filme
Filme "Venom 2: Tempo de Carnificina". Crédito: Sony/Divulgação

Quando foi lançado em 2018, “Venom” foi uma grande surpresa. Apesar do “boom” dos super-heróis e das adaptações de histórias em quadrinhos, era difícil imaginar que o personagem funcionaria retirado de seu contexto no universo do Homem-Aranha. Na verdade, dizer que o filme “funcionou” não é um retrato exato. Dirigido por Ruben Fleischer (“Zumbilândia”), “Venom” tem seus melhores momentos quando abraça o ridículo e brinca com os limites do que pode ser considerado “de bom gosto” no cinema de heróis. O filme se sustenta na atuação de Tom Hardy como Eddie Brock e nas interações dele com o simbionte também interpretado por Hardy. O resultado é um filme bobo, com alguns momentos divertidos e nada além disso.

“Venom: Tempo de Carnificina” não é muito diferente de seu antecessor, mas entende alguns dos problemas do filme de 2018 e até se esforça para corrigi-los. A fórmula está presente, sem ousadia, mas Hardy está ainda melhor e a dinâmica de Brock com o simbionte confere ao filme um ar de “buddy cop”, aqueles filmes de parcerias policiais improváveis.

Filme
Filme "Venom 2: Tempo de Carnificina". Crédito: Sony/Divulgação

O filme dirigido por Andy Serkis continua sendo uma grande piada, uma brincadeira que tem bons momentos, garante algumas risadas, mas nunca decola. Com 90 minutos de duração, o filme não gasta tempo explicando os acontecimentos do filme anterior - tudo o que interessa é o que você verá nessa hora e meia. A trama tem início com uma série de flashbacks para mostrar o passado de Cletus Kasady (Woody Allen), o sujeito que aparece sem nenhuma sutileza nos créditos do primeiro filme já deixando claro que estaria no que chega nesta semana às telas.

Este vídeo pode te interessar

Situados em 1996, os flashbacks mostram a origem da caótica relação entre Cletus e Frances (Naomi Harris). Serkis faz uma escolha curiosa e já mostra o tom do filme: mesmo com Jack Bandeira e Olumide Olorunfemi em tela vivendo os jovens Cletus e Frances, as vozes são de Harrelson e Harris.

A origem do Carnificina não é das melhores, mas sua gênese nos quadrinhos também não é lá grandes coisas. Sem a trama de Eddie e Cletus serem colegas de cela, o texto coloca o protagonista em uma entrevista exclusiva com o assassino prestes a ser executado. Venom, vale ressaltar, é um gênio e ajuda seu parceiro a resolver os crimes cometidos pelo condenado e, assim, recuperar seu prestígio como jornalista. Sem entrar em spoilers, pode-se dizer que obviamente Cletus se conecta a um simbionte de maneira similar à relação de Eddie e Venom, mas os instintos assassinos do personagem o tornam um grande e perigoso vilão.

“Venom: Tempo de Carnificina” é melhor quando centrado em Tom Hardy. Como o próprio Andy Serkis já disse, o filme é quase uma história de amor entre Eddie e Venom e, por isso, usa as fórmulas e as estruturas das comédias românticas. Depois do encontro do primeiro filme, eles têm vivido de forma “pacífica” com uma única e clara regra: não comer pessoas (algo normalmente contestado pelo simbionte).

Filme
Filme "Venom 2: Tempo de Carnificina". Crédito: Sony/Divulgação

Com curta duração, o filme é ágil e não perde tempo ao apresentar toda a premissa, basicamente tudo o que foi dito até agora, em cerca de 15 minutos. O início de conexões caóticas e edição ousada acaba dando lugar a um filme mais seguro, seguindo todo o ciclo narrativo já esperado de uma história de super-herói.

Serkis opta pela certeza de repetir o que funcionou no primeiro filme ao invés de levar o personagem e o universo para caminhos mais absurdos, o que seria totalmente possível e justificado. Há ainda algumas escolhas questionáveis no roteiro, como a separação de Venom e Eddie que coloca o alienígena solto na cidade, pulando de corpo em corpo, e com uma aventura que culmina em uma festa em que ele “sai do armário”.

O personagem, vale lembrar, é celebrado pela comunidade LGBTQIA+ por sua luta por representatividade, sua identidade não-binária e por seu relacionamento poliamoroso com Eddie e Anne (Michelle Williams, no filme). Carnificina, por sua vez, é fruto da epidemia de Aids nos anos 1980 e 90 - era uma ameaça vermelha, como o sangue que transmite a doença, e deixava um grande rastro de corpos pelo caminho.

Filme
Filme "Venom 2: Tempo de Carnificina". Crédito: Sony/Divulgação

Voltando ao filme, vale destacar o trabalho de Andy Serkis com a computação gráfica. Uma das maiores referências da indústria em tecnologia de captura de movimentos, Serkis entende os poderes e os limites do que tem em mãos. Assim, “Venom: Tempo de Carnificina” tem sequências criativas de ação e bastante caos. É interessante ver como o diretor filma de maneira diferente protagonista e antagonista, dando uma identidade para cada personagem. No único confronto entre Venom e Carnificina, no entanto, o excesso de CGI incomoda mesmo com boas “coreografias” e uma criatividade no combate.

Ao fim, a ideia de transformar Venom, fora de seu universo de origem, em uma espécie de Deadpool não é ruim. O filme corrige erros de seu antecessor ao trazer um vilão, uma ameça que antagonize o protagonista - ajuda que ele seja Tom Hardy e os antagonistas sejam interpretados pelos ótimos Woody Harrelson e Naomi Harris. “Venom: Tempo de Carnificina” é um filme que não deve ser levado a sério, uma obra que funciona como uma grande brincadeira, recheada de autoironia e com piadas nem sempre de bom gosto. Apesar da roupagem ousada, trata-se de um filme seguro, que peca por não ousar mais e por se manter firme às estruturas dos gêneros pelos quais passeia.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Cinema Fique bem Rafael Braz

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.