ASSINE
Jornalista de A Gazeta há 10 anos, está à frente da editoria de Esportes desde 2016. Como colunista, traz os bastidores e as análises dos principais acontecimentos esportivos no Espírito Santo e no Brasil

Passagem de Jorge Jesus pelo Flamengo deixa lição para técnicos brasileiros

O estilo de jogo arrojado que sempre priorizou o ataque, não só foi campeão, como também encantou. Uma escola para treinadores, que mesmo com bons elencos, optam por ficar na zona de conforto

Publicado em 19/07/2020 às 07h00
Atualizado em 28/08/2020 às 15h12
Jorge Jesus, técnico do Flamengo
No Flamengo, Jorge Jesus sempre cobrou posse de bola e agressividade dos jogadores. Crédito: Alexandre Vidal/Flamengo

Títulos do Brasileirão e da Libertadores, 43 vitórias, dez empates, quatro derrotas e 129 gols marcados. Esses são alguns dos feitos que marcaram a trajetória de pouco mais de um ano do técnico Jorge Jesus no Flamengo. História que ganhou um ponto final na última sexta-feira (17), e que mais do que a saudade no coração dos torcedores rubro-negros, deixa também uma lição para muitos técnicos brasileiros.

O estilo de jogo arrojado que sempre priorizou o ataque, não só foi campeão, como também encantou. Missão muito difícil no futebol atual. Não há torcedor rival capaz de falar que o Flamengo de Jorge Jesus não será lembrado por muito tempo. Um time que passou por cima dos adversários. Uma combinação perfeita de aplicação tática, talento individual e sede de vencer.

Nos últimos anos, nos habituamos a ver no futebol brasileiro equipes que abriam o placar e depois se fechavam para garantir a vitória. Uma postura covarde muitas vezes eficiente, mas incapaz de explorar o melhor que o esporte oferece. Eficaz para alcançar os três pontos, porém pobre em recursos. Entretanto, como bons torcedores que somos, muitas vezes o resultado positivo é o que interessa, e pouco importa a forma como ele é conquistado.

O Mister está longe de ter reinventado a roda no futebol, mas certamente implementou um trabalho como há tempos não presenciávamos por aqui. Não teve medo de definir uma proposta de jogo ofensivo e acreditar nela. Não somente ele, como também seus jogadores, que corriam em busca do gol enquanto a bola estivesse rolando.

É claro que o Flamengo ofereceu um elenco qualificado ao treinador, mas seu sucesso não pode ser minimizado à apenas isso. Quantas vezes já vimos times brasileiros montarem um plantel de dar inveja aos rivais e o resultado ser decepcionante? O próprio Abel Braga, que teve quase esse mesmo Flamengo (sem Rafinha e Felipe Luís), mas deixava Arrascaeta no banco, Bruno Henrique atuando centralizado e não conseguia extrair o melhor dos jogadores. A mudança de mentalidade imposta pelo Mister foi fundamental para o sucesso rubro-negro.

Fica o exemplo. É sempre bom ter ideias novas girando ao redor, tanto para os novos quanto para os medalhões. É lógico que há potencial por aqui, mas existe também um ar de superioridade de que técnicos brasileiros não precisam de ajuda do exterior para entender o que é futebol. Que haja sempre humildade em aprender.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Futebol flamengo flamengo

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.