ASSINE
Jornalista de A Gazeta há 10 anos, está à frente da editoria de Esportes desde 2016. Como colunista, traz os bastidores e as análises dos principais acontecimentos esportivos no Espírito Santo e no Brasil

Fernando Diniz tem todos os pré-requisitos para dar errado no Vasco

Treinador preza por toque de bola que elenco cruz-maltino não tem a oferecer e tem dificuldades para montar defesas seguras, o que o time precisa urgentemente. Não vai dar certo

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 10/09/2021 às 02h00
Fernando Diniz é o novo técnico do Vasco
Fernando Diniz é o novo técnico do Vasco. Crédito: Ivan Storti/Santos

A diretoria do Vasco deu sua cartada final para tentar livrar o clube do que pode vir a ser a maior vergonha de sua história: não retornar imediatamente à elite do futebol brasileiro após um rebaixamento. Para tentar impedir esse vexame, Fernando Diniz foi escolhido para ser o técnico do Gigante da Colina. Porém, os estilos de treinador e elenco são completamente distintos, e a decisão da cúpula vascaína pode se tornar a última pá de cal no sonho cruz-maltino.

Ocupando a 9ª colocação da Série B do Campeonato Brasileiro, com o risco de ser ultrapassado até o fim da 23ª rodada, o Vasco ainda tem 15 jogos pela frente e vai precisar de uma campanha de campeão a partir de agora par garantir sua volta à Série A, objetivo o qual tem apenas 5% de chances de alcançar de acordo com o matemático Tristão Garcia, do site Infobola.

Diante de tamanho desafio e de como o time tem oferecido a vitória aos adversários nos últimos jogos, tudo que o Vasco precisa imediatamente é de uma defesa sólida, que dê tranquilidade para seu ataque definir lá na frente, neste momento tão delicado em que até mesmo o artilheiro Cano vive jejum de gols. O problema é que Fernando Diniz nunca trouxe essas respostas em sua carreira como treinador.

O mineiro de 47 anos é conhecido por ser um treinador que preza pela posse de bola, que começa com toques curtos desde o goleiro. O que é um grande problema. É notório que o elenco do Vasco não tem essa qualidade no setor defensivo. Só de pensar em Vanderlei, Ernando, Mirada, Castán, Ricardo Graça e entre outros trocando passes próximo ao gol, o torcedor cruz-maltino já sente calafrios.

Outro fator a ser considerado é que Fernando Diniz tem um histórico de montar times com defesas frágeis. O Santos, por exemplo, clube que o demitiu recentemente, tem a terceira pior defesa do Brasileirão (25 gols em 19 jogos), mesmo estando na 14ª colocação na tabela. O Peixe só não é pior neste quesito que Chapecoense (lanterna da competição) e Bahia (16ª colocado). 

Fernando Diniz terá que se reinventar como treinador para conseguir dar jeito no Vasco. Vai ter que fazer o que nunca fez em sua carreira. Características de treinador e elenco são opostas, não dá match. Mas a diretoria cruz-maltina acredita que pode dar certo. As chances são mínimas. Vamos aguardar.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Futebol Clube vasco da gama

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.